Milhares protestam contra charges de Maomé e filme holandês

Cerca de dez mil afegãos se concentraram no sábado na província de Herat (oeste) para protestar contra a republicação das charges do profeta Maomé e contra um curta-metragem que considera o Alcorão um livro que incita a violência, informou à Agência Efe Farzana Ahmadi, a porta-voz do governador de Herat. "O protesto foi pacífico e a multidão se acalmou após o meio-dia", disse ele.

Um oficial da polícia, entrevistado pela Efe afirmou, no entanto, que a manifestação foi violenta e que os ativistas lançaram duas granadas na direção das forças de segurança, que feriram dois agentes.

Os manifestantes queimaram bandeiras dinamarquesas e holandesas entre gritos de "morte àqueles que insultam o Islã, morte à Dinamarca e Holanda", e pediram a retirada do Afeganistão das tropas desses dois países.

Vários jornais dinamarqueses publicaram novamente em fevereiro as polêmicas charges de Maomé, depois da descoberta de um plano para assassinar o desenhista Kurt Westergaard (leia mais).

Uma das imagens, publicadas pela primeira vez em 2006, mostrava Maomé com um turbante-bomba, o que para muitos muçulmanos significou um insulto por afirmar que a representação figurativa de seu profeta é proibida pelo Alcorão.

Em relação à Holanda, os manifestantes criticam a anunciada estréia de um curta-metragem do deputado ultradireitista Geert Wilders.

Com seu filme "Fitna" (palavra árabe que significa "caos"), ele quer transmitir a mensagem de que o Alcorão é um livro que incita a violência. Em alguns lugares da Holanda, a apresentação do filme foi cancelada para evitar confusão e retaliação de extremistas. 

 Pedido de Oração:

Ore pelos cristãos afegãos, especialmente pelos ex-muçulmanos. A vida deles é considerada um insulto ao islã e por isso os radicais defendem a pena de morte. Ore contra essa cultura de ódio ao Ocidente que vem recrutando centenas de jovens para entregarem suas vidas em atentados suicidas.