Como vive a pequena comunidade cristã do Irã

Embora os cristãos sejam uma minoria religiosa reconhecida, na prática eles relatam prisões, assédio e discriminação por causa da fé. O islamismo é a religião oficial do Irã, e todas as leis e regulamentações são baseadas e seguem a interpretação oficial da sharia ( lei islâmica).

Permite-se que as igrejas armênia e a assíria ensinem os irmãos do campo na língua deles, mas é proibido ministrar para ex-mulçumanos (na língua farsi).

Sob as severas leis iranianas de apostasia, qualquer muçulmano que deixe o islamismo e abrace outra religião pode enfrentar a pena de morte. Entretano, o mais comum é que os próprios muçulmanos se encarreguem de tirar a vida do novo convertido, sem que as autoridades tenham o ônus da execução.

O culto de muitas igrejas é monitorado pela polícia secreta. Os cristãos que são ativos nas igrejas ou no movimento dos grupos de células vivem pressionados. Eles são interrogados, detidos e, às vezes, presos e espancados.

Os cristãos são oprimidos pela sociedade e muito pressionados pelas autoridades. Eles têm dificuldade em encontrar e manter um emprego e são despedidos com facilidade quando alguém toma conhecimento da fé que professam. 

Em 2007, os líderes de igrejas domésticas e cristãos ex-muçlumanos foram presos e interrogados por exercer atividades religiosas na privacidade de sua casa.

Ore pelos missionários no país e pelos novos convertidos que estão sofrendo com a discriminação, a falta de emprego e de afeto de suas famílias. Que uma comunidade forte, avivada e sábia cresça e se fortaleça neste país.