Justiça reconhece perseguição e reabre igreja em Quilmes

Uma longa provação de pouco mais de um ano terminou para uma igreja evangélica em Quilmes, na Argentina, depois que um juiz anulou uma ordem de fechamento municipal contra a nova congregação e um centro ministerial até então, ainda não utilizado.

O ex-prefeito de Quilmes, Sergio Villordo, havia emitido uma ordem de fechamento em março de 2007, proibindo a Igreja do Encontro, em um prédio de três andares e formada por 1200 membros, "por um período indefinido" ( relembre o caso).

No último dia 3 de março, o juiz Guillermo Pons, do Tribunal Administrativo, anulou a ordem de fechamento "em virtude de seu fracasso em cumprir com o regulamento para edifícios municipais". Além disso, a decisão declarou a ação do prefeito Sergio Villordo como uma violação clara "aos princípios constitucionais básicos”.

Finalmente a Igreja do Encontro pode colocar seu novo prédio em funcionamento, que estava em construção há sete anos e que seria usado para fins educativos e de serviços comunitários na cidade de 500 mil habitantes.

A decisão do juiz Guilhermo Pons parece confirmar o abuso de poder contra a Igreja do Encontro, ao declarar que a administração de Sergio Villordo "avançou em seus argumentos com erros claros de causa, objeto e finalidade, ao ponto de exceder o valor máximo da multa até mesmo definido por lei."

Justiça

Um laudo de 500 páginas da construção do centro ministerial, produzido pela Universidade Tecnológica Nacional em La Plata, fortaleceu a defesa da igreja. Inspetores encontraram no edifício uma perfeita estrutura acústica e conforme todos os padrões exigidos. 

O juiz também declarou que a ação do prefeito Sergio Villordo "imputa em indenizações (pessoal, material e moral)" e por isso ele acha que a Igreja do Encontro pode processar o prefeito e pedir indenizações.

"Isso não provavelmente não acontecerá. Da nossa parte, não haverá nenhuma contestação e pedido de indenizações", disse o pastor sênior da Igreja do Encontro, Raul Caballero.

Perseguição

Raul David Caballero disse que o fechamento fazia parte de uma campanha de perseguição contra ele por ter exposto publicamente casos de corrupção na administração do prefeito Sergio Villordo.

Raul Caballero é editor-chefe do jornal “Perspectiva Sur”, de Quilmes, que denunciou casos de corrupção do prefeito.

O pastor contou ao Compass que a perseguição incluiu cartas ameaçadoras, cartazes públicos que denegriam o caráter dele, apedrejamento contra o edifício comercial, e uma multa de meio milhão de pesos (R$ 26 mil) por infligir "um dano espiritual e dano moral” contra o prefeito Sergio Villordo.

A perseguição só diminuiu quando os eleitores tiraram Sergio Villordo do poder nas eleições do dia 28 de outubro 2007.

O sucessor dele, Francisco Gutiérrez, assumiu a prefeitura de Quilmes no início de dezembro e Raul Caballero notou que, desde então, a ordem de fechamento da igreja que vinha sendo protelada há quase nove meses finalmente começou a ser avaliada pelas autoridades judiciais.

Cultos de ações de graças

A Igreja do Encontro celebrou seu triunfo judicial com dois cultos especiais no dia 9 de março, servindo bolo e empanadas aos membros que comemoravam exultantes a abertura do edifício.

Trabalhadores de igreja também substituíram a faixa que ficava na frente do prédio "Fechada por perseguição", pelos dizeres: "Com gratidão a Deus, nós saudamos nossos vizinhos que se levantaram por nós em nossos dias de trevas."

Caballero contou ao Compass que, apesar da tensão, resultados positivos estão emergindo do conflito. A escola primária da igreja planeja se expandir agora para o nível de escola secundária no espaço do centro ministerial que agora está disponível.

“Nós registramos um aumento sem precedentes nas matrículas para o 2008, 120 novas famílias associaram seus filhos”, disse Raul Caballero. “O que aconteceu teve um grande impacto na congregação e a cidade agora conhece ainda mais a Igreja do Encontro."