Amal conta como foi atraída pelo modo de viver de um cristão

De várias maneiras muçulmanos estão vindo para Cristo no Oriente Médio. Alguns têm sonhos e visões de luzes brilhantes, de pessoas vestidas de branco, ou, em alguns casos, do próprio Senhor Jesus. Outros começam a comparar a Bíblia e o Alcorão e se encontram muito mais atraídos pela Palavra de Deus.

Outras pessoas se aproximam do cristianismo pelo exemplo e vida de cristãos comprometidos. As maneiras do Senhor são, às vezes, imprevisíveis, mas Ele encontrará seu povo. De fato, pessoas estão vindo a Cristo no Oriente Médio, e o Senhor está trabalhando em uma nova igreja, como nas vidas de Hani e Amal.

Confira abaixo um breve testemunho de Amal:

“O professor de esportes da minha escola era aberto e sincero. Fui atraída a ele por seu modo de viver como ser humano, não por um futuro relacionamento. Ele tinha alguma coisa que eu não havia visto na vida de meus pais ou irmãos. Existia nele alguma coisa que eu não compreendia, então comecei a perguntar a ele sobre isso, de uma maneira muito cautelosa. Quando ele percebeu meu interesse em religião e no cristianismo, me deu uma pequena Bíblia para ler e isso me abriu os olhos...”

Amal entrou em contato com o cristianismo através de seu professor de esportes. O comportamento dele e respeito em relação a garotas e mulheres era completamente diferente do que ela já havia presenciado antes.

Esta jovem muçulmana estava em busca da verdade, de honestidade e confiança para sua vida. “O professor se referiu à cruz para mim, me deu uma Bíblia secretamente, que comecei a ler e estudar imediatamente. Ele também me apontou programas de rádio como boas maneiras de fazer estudos bíblicos, já que ele não poderia fazê-lo comigo.”

“Foi então que comecei ouvindo os programas de rádio por três meses. Então decidi me tornar cristã e seguir Cristo, mas como eu poderia fazer isso? Olhei para um prédio com uma cruz, do outro lado da minha cidade, e cuidadosamente comecei a visitar essa igreja, sem o véu e sem ser reconhecida pelas pessoas”.

Nota da PA: Ser muçulmano vai muito além da questão religiosa.Trata-se de uma identidade cultural, que reúne um amplo sistema de valores responsáveis por regular a vida das famílias, suas condutas e no caso de alguns países, até governos. Deixar de ser muçulmano implica em renunciar a todo um conjunto de valores sociais, inclusive a renúncia da identidade familiar. Por isso, muitos ex-muçulmanos acabam privados do convívio de seus familiares, são perseguidos, às vezes mortos. Esse é hoje o principal desafio da modernidade. É entre eles que assistimos hoje a uma das piores perseguições de todos os tempos por causa da fé.