Cristãos protestam contra a adoção da sharia no país

No último dia 11 de agosto, milhares de cristãos realizaram na ilha de Papua um protesto contra a introdução da lei islâmica no país e, em particular, na sua região.

A Indonésia é o maior país islâmico do mundo, em termos de população, e recentemente discute-se a idéia de adotar a sharia (lei islâmica, baseada no Alcorão e nos hadith, sentenças atribuídas a Maomé).

Mas existem várias regiões da Indonésia em que os cristãos formam maioria ou pelo menos uma importante minoria da população. São estes os que mais temem a adoção da lei islâmica.
Os 3500 cristãos que marcharam em Jayapura, capital de Papua, na Indonésia, receberam a garantia do governo provincial de que a sharia não seria aceita pelo governo regional, mesmo que as autoridades de Jacarta sigam esse caminho.

Sacerdote é espancado

No dia seguinte ao protesto, um sacerdote católico foi raptado e espancado na Indonésia, de acordo com a agência de notícias “AsiaNews”. O caso aconteceu com Benny Susetyo, secretário da Comissão Inter-religiosa da Conferência Episcopal do país.

O incidente aconteceu em Bintaro, que fica em Jacarta meridional. Os agressores roubaram o celular do sacerdote e o abandonaram, depois do espancamento.

Benny Susetyo, conhecido pelo seu compromisso com o diálogo entre religiões, está internado no Hospital Pondok Indah de Jacarta. O sacerdote é membro ativo da Aliança pela Nação e a Liberdade Religiosa, grupo mal visto pelos movimentos radicais islâmicos.