Primeiro ministro indiano autoriza ajuda às vítimas da violência

O ministro chefe de Orissa, Naveen Patnaik permitiu que cristãos e outros grupos ajudassem as vítimas da violência e da intolerância no Estado.

Patnaik fez essa promessa a uma delegação de uma minoria religiosa que se encontrou com ele quarta, dia 17, na capital de Bhubaneswar, a cerca de dois mil quilômetros a sudeste de Nova Déli.

Estima-se haver 23 mil cristãos refugiados, espalhados em dez campos, mantidos pelo governo. Esses campos não possuem itens básicos, como água e alimentação.

A delegação de oito membros que incluía alguns ministros protestantes disse, em uma coletiva, que o ministro chefe concordou que cristãos e outros advogados de outros Estados poderiam ir às áreas afetadas para ajudar nos casos das vítimas. Ele também prometeu deixar os cristãos e outros grupos voluntários abrirem campos de refúgio nas áreas afetadas.

A administração tinha, inicialmente, proibido os cristãos e grupos de entrarem nas áreas, mas deixava que líderes radicais hindus entrassem.

No início do dia, cerca de 300 representantes budistas, cristãos, hindus, muçulmanos e sikhs se reuniram na cidade para exigir segurança aos cristãos em Orissa. A reunião também pediu paz e harmonia e selecionou a delegação para encontrar com o ministro chefe.

Um dia antes das reuniões, cerca de 500 hindus fanáticos mataram um policial e queimaram uma delegacia e as casas de quatro cristãos no distrito de Kandhamal, a área mais afetada. Phulbani, a sede do distrito, fica a 350 quilômetros a oeste de Bhubaneswar.

Saiba mais sobre a situação da violência contra os cristãos em Orissa.