Ataques podem ter sido motivados por protesto de cristãos

| 26/10/2008 - 00:00


Não se pode dizer o que está por trás dos ataques que os cristãos sofreram em Mosul, onde as tropas iraquianas e americanas têm conduzido operações contra o grupo militante sunita al-Qaeda.

Os ataques contra os cristãos acontecem logo depois de uma câmara legislativa iraquiana votar pela retirada de uma cláusula na sua nova lei eleitoral da província, o artigo 50. Esse artigo protege os direitos das minorias, garantindo-lhes um representante nos conselhos da província.

A mudança nessa lei, ocorrida no começo de outubro, levou os cristãos de Mosul a protestar. Acredita-se que os tais protestos tenham motivado os ataques contra a comunidade cristã.

No encontro que os líderes da comunidade cristã tiveram com o primeiro-ministro Nuri al-Maliki, pediu-se que o Artigo 50 fosse restaurado. Al-Maliki afirmou aos líderes cristãos que ele mencionaria esse caso na próxima reunião do Parlamento.

Ainda que se recusem em relacionar os ataques aos protestos, o padre Basher Warda disse à agência de notícias Compass que achou que os ataques foram coordenados.

“Pode até ser coincidência, ou talvez seja um momento oportuno para a violência”, disse Basher. “Mas, independentemente do motivo, me parece que existia um plano para essa violência vir à tona. Não podemos afirmar que é só coincidência, pois tudo aconteceu muito rapidamente.”

Bahser disse que varrer os cristãos de Mosul é “uma tarefa colossal”. “Estamos falando de 1.700 famílias que tiveram que fugir em 9 dias”, afirma.

Devido aos ataques contra igrejas e indivíduos, cristãos do Iraque tiveram de fugiram para as cidades próximas, abandonando seus negócios e suas casas.

Alguns dos refugiados de Mosul pediram abrigo tanto na Turquia quanto na Síria. Mas são as pequenas e despreparadas aldeias que cercam a cidade que têm recebido a maior parte dos fugitivos segundo Basher.

O interesse principal dos líderes da Igreja, nesse momento, é o retorno dos que fugiram.

“ parte da história deles, da sua herança e lembranças. Temos de fazer algo”, disse Basher. Aqueles com os quais conversou tinham muito medo de voltar para suas casas e não sabem se podem confiar na proteção do governo.

Quando foi perguntado sobre a possibilidade de Mosul perder toda a população cristã, Basher respondeu: “Não quero pensar nisso, pois seria uma tragédia para todo o povo. As escolhas são limitadas. A minha preocupação agora é com os cristãos que estão abandonando a cidade”.

Apesar de otimista em relação à situação da comunidade cristã de Mosul, o bispo auxiliar da Igreja Caldeia de Bagdá, Shlemon Warduni, não hesitou em criticar o que ele considera “silêncio” da comunidade internacional sobre os direitos humanos da comunidade cristã no Iraque.

“Quero dizer ao primeiro mundo que, desde o princípio, ninguém falou nada. Ninguém está falando sobre os direitos dos cristãos e das minorias no Iraque. Estamos esperando apoio do exterior, pelo menos como seres humanos, não só como cristãos”, diz Shlemon.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE