Dois casos de violência contra cristãos em Arauca

| 10/01/2009 - 00:00


Em 11 de outubro, Ciro Alfonso Guerrero, da igreja Deus é Amor, foi assassinado pelo Exército de Libertação Nacional (ELN) no município de Tame, Departamento de Arauca.

Ciro, 41 anos, era membro ativo de sua igreja. Ele dirigia cultos e reuniões de oração em sua casa, violando a proibição imposta pelo ELN no lugar.

Quando o ELN assumiu o controle da área, em meados de 2007, proibiu a prática de cultos religiosos.

Ciro estava com Verônica, sua esposa, em uma lanchonete que o casal tinha em sua residência. O negócio ajudava a complementar a renda da casa, formada primariamente pelo cultivo.

Naquele sábado, por volta das 15 horas, dois homens foram à loja e pediram soda-limonada. Quando Ciro trouxe as bebidas, um dos homens sacou uma arma. Ciro correu ao ver a arma, mas os homens perseguiram-no e mataram-no a tiros.

Ciro tinha três filhos: Javier Alfonso, 18, Sory, 16, e Vivian, 13. Verônica ainda dirige o estabelecimento, pois não tem outra fonte de renda. Ela teme que um de seus filhos venha a ser a próxima vítima.

Pastor forçado a abandonar sua casa

Na noite de 9 de dezembro, um homem com roupas de civil e desarmado dirigiu-se ao pastor Rodolfo Almeida e lhe disse: “Deixe Pueblo Nuevo dentro de uma semana senão você e sua família pagarão com suas vidas”.

Essa foi a terceira vez que o co-pastor da igreja Ebenézer de Pueblo Nuevo, Departamento de Arauca, recebeu ameaças do ELN.

Os primeiros dois alertas diziam respeito sobre quando e onde ele poderia pregar. Nessa terceira ocasião, os guerrilheiros decidiram que não o queriam mais na área e, então, deram-lhe um prazo para partir.

A ameaça de morte surpreendeu Rodolfo, porque os guerrilheiros somente executam alguém que não querem por perto. Esse é o modo deles de dar exemplos públicos da obediência que exigem dos cidadãos na região.

No início de 2008, Rodolfo teve de abandonar o cargo de pastor em sua igreja. Os líderes da igreja acharam que seria mais seguro se Rodolfo fosse denominado co-pastor. Os membros da igreja concordaram com a modificação devido ao número de mortes de crentes e pastores que ocorreu em 2007.

Durante os primeiros meses do ano de 2008, Rodolfo procurou não visitar abertamente os membros da igreja e nem pregar.

Mas, com muitos convites, ele voltou para evangelizar e ensinar em reuniões clandestinas na zona rural.

A esposa de Rodolfo, Stella estava em Bucaramanga quando Rodolfo recebeu o ultimato. Ao chegar em casa, Rodolfo disse-lhe que a família deveria sair imediatamente.

Com a ajuda do supervisor regional da igreja, o casal e seus três filhos deixaram a cidade em 12 de dezembro e celebraram o Natal em um lugar seguro.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco