Monges budistas levam cristãos cativos

Monges budistas e autoridades locais mantêm cativos 13 cristãos recém-convertidos em um pagode (torre típica da arquitetura oriental) em um distrito a sudeste de Bangladesh.

O objetivo é forçá-los a voltar ao budismo.

Um porta-voz da igreja cristã Parbatta Adivasi, que prefere permanecer no anonimato, contou a Compass que “os cristãos estão em grande apuro”.

Oficiais do Conselho Governamental de Jorachuri, sub-distrito de Rangamati estão ajudando os monges a manter os cristãos encarcerados, conta o porta-voz.

“Os 13 cristãos foram levados à força ao pagode no dia 10 de dezembro para serem reconvertidos ao budismo contra sua vontade”, ele disse.

Todos os seqüestrados são homens entre 28 e 52 anos, disse a fonte. Eles se converteram ao cristianismo há aproximadamente quatro meses.

Bangladesh tem uma população budista de 0,7%. Os muçulmanos constituem 90% da população de Bangladesh, e os hindus 9%, de acordo com o governo.

Segundo a fonte, dois monges budistas, Pronoyon Chakma e Jianoprio Vikku, e duas autoridades locais, membros do conselho distrital, Viram Chakma e Rubichandra Chakma, estariam por trás dessa atividade anticristã juntamente com outros líderes budistas.

“Essa é a primeira vez que levam 13 cristãos ao pagode a fim de obrigá-los a se tornarem budistas – “é assim que eles planejam agir com todos os cristãos do local”, ele disse. “O pagode é pequeno, por isso levaram apenas 13 cristãos para lá”.

Um líder cristão disse que líderes budistas e autoridades locais ameaçaram os cristãos a voltarem para o budismo ou seriam expulsos. Disseram: “Vocês não podem viver aqui – precisam deixar o local com seus familiares porque se tornaram cristãos. Aquele que se torna cristão não pode viver em uma área predominantemente budista”.

De acordo com a fonte, alguns cristãos se esconderam, temendo por suas vidas.

Segundo a mesma fonte, o presidente do Conselho União Mogdhan, Arun Kanti Chakma, avisou que os cristãos deveriam ser isolados, agredidos e – se fosse descoberto que se reconverteram ao budismo apenas para voltar ao cristianismo, deveriam ser mortos.

“O presidente Arun Kanti ameaçou agredir os cristãos a menos que abraçassem a fé budista”, contou a fonte. “Ele ainda ameaçou: se você voltar ao cristianismo, será morto”.

Isolados

Em outra vizinhança na área de Khaokhali, próxima a Jorachuri, cerca de 50 cristãos recém-convertidos tiveram todas as vias de comunicação cortadas. Eles foram impedidos de ir à cidade de Rangamati e estão vivendo em isolamento.
 
“Os seqüestradores e outros líderes budistas influentes estão ameaçando cristãos e dizendo que sofrerão as mesmas conseqüências que os 13 prisioneiros”, contou a fonte. “Estão nos avisando: da mesma maneira, todos vocês devem voltar ao budismo.”

Cerca de 400 pessoas se converteram ao cristianismo nesse distrito no ano passado. Tal como os budistas, os cristãos formam menos de 1% da população de Bangladesh, que possui 153 milhões de habitantes.

Os cristãos do distrito não comunicaram o ocorrido à polícia por medo de que isso enfurecesse os grupos terroristas existentes no local. A fonte diz que grupos terroristas são conhecidos por colocar a vida dos cristãos em perigo por qualquer motivo.

“Não falamos nada para a polícia porque os grupos terroristas tribais ficariam irritados com qualquer ação da polícia e nossas vidas chegariam, certamente, ao fim”, a fonte disse. “Se contarmos à polícia, teremos mais problemas.”

Essa fonte acrescenta que a área onde as ameaças são feitas é cercada de montanhas, o que torna a ação da polícia contra os seqüestradores quase impossível.