Seul acusa Coreia do Norte de planejar lançar foguete amanhã

Forças de Defesa do Japão se mantém em alerta após anúncio de lançamento de foguete pelo governo da Coreia do Norte
A polêmica em torno de um possível ataque nuclear, alertado pela Coreia do Sul, tem provocado reação de diversas lideranças, entre as quais o governo dos Estados Unidos, que negou uma retaliação militar, mas prometeu sanções ao país.

"Se a Coreia do Norte decidir por esta ação, nós vamos agir de acordo com os nossos parceiros internacionais para que Pyongyang saiba que eles não podem colocar em risco a segurança e a estabilidade mundial", disse Obama durante uma conferência ao lado do presidente da França, Nicolas Sarkozy, em Strasbourg.

Segundo o presidente da Coreia do Sul, Lee Myung bak, o lançamento deverá ocorrer na manhã deste sábado, mesmo com forte protesto da comunidade internacional. Analistas afirmam que o lançamento poderá ajudar politicamente na permanência no poder do ditador Kim Jong-il. No ano passado, Jong il esteve doente e a possibilidade de um ataque liderado por ele serviria como uma "reafirmação no poder", segundo especialistas.

A Coreia do Sul e o Japão afirmam que o lançamento do foguete deverá utilizar mísseis de longo alcance, como os Taepodong-2, e que teria capacidade de atingir o Alasca. Eles acusam o regime comunista de violar a resolução 1.718 do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), aprovada em outubro de 2006 e que recomenda ao país asiático suspender as atividades relacionadas a seu programa de mísseis balísticos.

"Nós vamos responder de forma forte para a Coreia do Norte, se eles ignorarem a comunidade internacional e nos colocarem em risco", disse o presidente.

Obama, que classificou o lançamento como provocativo, afirmou ainda que a ameaça do lançamento de um míssil colocou "grande pressão" sobre as conversas internacionais sobre a desnuclearização da Coreia do Norte.

O presidente afirmou ainda que os EUA deixaram claro seu ponto de vista sobre o lançamento para o regime comunista, mas que a resposta de Pyongyang não foi positiva. "A resposta até agora da Coreia do Norte foi não apenas de pouca ajuda, mas lembra o tipo de linguagem que levou a Coreia do Norte ao isolamento da comunidade internacional por um longo tempo".

Contra-ataque

O alto comando militar da Coreia do Norte voltou a ameaçar nesta quinta-feira (2) a responder militarmente qualquer tentativa internacional de derrubar o foguete. As ameaças vieram horas depois que, segundo a rede de televisão CNN, Pyongyang começou a abastecer com combustível o foguete.

Segundo autoridades, o satélite deve sobrevoar o norte do arquipélago japonês. Pyongyang já enviou inclusive um esquadrão de caças para uma base aérea próxima à costa leste do país, onde está sendo preparado o lançamento.

Fontes do governo sul-coreano não identificadas,afirmaram que o envio dos aviões parece estar destinado a responder aos movimentos do Japão para interceptar o foguete norte-coreano. Tóquio ordenou na semana passada a seu Exército que destrua o foguete norte-coreano caso o lançamento falhe e suas partes caiam em território japonês.

Ore por esta situação. Sabemos que muitos sofrerão se esse ataque acontecer. Ore para que Deus mova os corações e para que a nação esteja protegida.