Dois cristãos ortodoxos são mortos em confrontos com a polícia

Em 30 de junho, a polícia matou dois membros da Igreja Ortodoxa Etíope (IOE) e feriu outros 12 em uma ação para reprimir a construção “ilegal” de um prédio da IOE. O incidente ocorreu na cidade de Dessie.

Outras fontes afirmam que a repressão é por causa de uma disputa entre a IOE e muçulmanos.

Em setembro último, o governo local revogou a licença concedida à IOE para a construção da Igreja Memorial Arsema. O governo alegou que a terra seria de alguns muçulmanos, que a utilizariam para construir um cemitério.

Líderes da IOE, entre eles o bispo da região, refutaram as afirmações dos muçulmanos e insistiram em continuar a construção.

As autoridades declararam que a licença havia sido um equívoco e suspenderam a construção do edifício, removendo as estruturas já construídas no terreno.

No dia 30 de junho, líderes ortodoxos organizaram um protesto para demonstrar sua insatisfação.

Segundo algumas fontes, o bispo Abune Athanasius, da diocese de Wollo, solicitou permissão do governo para o evento. Ele foi alertado que seria responsabilizado por qualquer incidente.

Athanasius insistiu em realizar a manifestação e convocou membros da IOE para participarem.

Os manifestantes marcharam até a prefeitura, mas ninguém apareceu para responder às suas perguntas.

Revoltados com o pouco caso do governo, os organizadores da passeata incentivaram os manifestantes a levantar fundos para a construção da igreja, desafiando a ordem da prefeitura.

Uma testemunha disse que, rapidamente, coletaram 80 mil birr (cerca de 7 mil dólares). À tarde, o material para a construção já havia sido comprado e os manifestantes já se dirigiram ao terreno, para continuar a edificação. Policiais que montavam guarda tentaram resistir à multidão, mas esta forçou a entrada.

A polícia federal foi enviada para dispersar o grupo, que se negou a cooperar. Isso levou a um conflito aberto, no qual a polícia deu alguns disparos.

Fontes oficiais dizem que duas pessoas morreram, mas testemunhas afirmam que foram cinco. Doze pessoas foram feridas.

O clima em Dessie continua tenso, pois o funeral das vítimas pode ser o palco de outro conflito entre ortodoxos e a polícia.

Especialistas dizem ser raro que líderes da IOE contrariem ordens do governo. Para eles, parece que a decisão de Abune Athanasius era mais voltada a resistir aos muçulmanos do que ao governo.