Oficiais ainda mantêm líderes e membros da igreja Linfen presos

| 23/10/2009 - 00:00


O dia estava agradável quando Shan Yongchang, membro da igreja Linfen-Fushan, que havia sido preso por enviar uma mensagem de texto avisando seus líderes sobre o ataque ao templo no dia 13 de setembro (saiba mais), foi solto na sexta-feira, 9 de outubro.

No dia seguinte, os oficiais do Escritório de Segurança Pública (PSB) propuseram liberar dez líderes da igreja Linfen-Fushan, sob a condição de manter a pastora Yang Rongli presa até outra determinação. Protestando a detenção da pastora, em um ato de solidariedade, os líderes se recusaram a irem embora sem a pastora Yang. “Somos um Corpo em Cristo! Não a deixaremos para trás. Não sairemos da prisão sem ela”, disseram.

Para provocá-los, o PSB prendeu Yang Linli, a irmã mais nova da pastora, e saqueou a casa do pastor Wang Xiaoguang. No dia 11 de outubro, o PSB prendeu outros dez membros da igreja Linfen, incluindo Yang Xuan e sua esposa Yang Caizhen. Os oficiais culpam o pastora Yang pela agitação no local e se recusou a soltá-la, ameaçando os líderes da igreja com futuras invasões e abusos se eles não cumprissem as ordens.

No dia 16 de outubro de 2009, Yang Linli foi solta com a condição de ela não pedisse em favor de sua irmã ou dos outros membros da igreja, e não se envolver em nenhuma atividade ilegal. Ela foi proibida de se comunicar com o mundo. A pastora Yang Rongli e Hua Mei, outra líder da igreja, foram acusadas formalmente de cometer crimes como “construção ilegal e perturbar a ordem pública ao organizar as massas”.

Cinco líderes foram condenados à detenção criminal no dia 17 de outubro: Wang Xiaoguang, Yang Caizhen, Yang Hongzhen, Su Qing e Li Shuangping.

A pastora Yang e outros seis líderes foram presos pelos policiais de Fushan em 23 de setembro, para impedi-los de visitar Pequim e apelar para as autoridades a favor da Igreja Linfen. No dia 24 de setembro, o PSB invadiu a igreja Linfen e algumas casas de membros novamente, confiscando tudo que havia restado de valor. Após uma reunião de emergência no dia 28 de setembro, os oficiais da cidade de Huozhou concordaram que a igreja cristã Linfen não era uma seita, mas que não iriam tolerar mais abusos e violações legais da pastora Yang Rongli e seus seguidores “tolos e enganados”.

Entre as supostas violações cometidas pela pastora, estavam: estabelecer grupos religiosos e templos, realizar cultos e atividades religiosas sem permissão, nomear religiosos, pregar o evangelho de maneira ilegal entre as minorias e perturbar a ordem pública.

De acordo com os membros da igreja Linfen, 80 policiais e 10 viaturas continuam a cercar a igreja, impedindo que eles se reúnam aos domingos. Isso mostra que a religião não tem liberdade para os cristãos na China comunista.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE