Cristãos são pressionados para que se reconvertam ao islamismo

No dia 15 de novembro, 175 pessoas em Chhattisgarh, Índia, renunciaram sua fé cristã e retornaram para sua religião anterior, como parte de um evento de reconversões promovido por um membro do parlamento indiano, Dilip Singh Judev.

Respondendo à reclamações de que os cristãos estavam convertendo os aldeões à força, Judev realizou esses eventos em diversos vilarejos em Chhattisgarh.

“Não sigam o cristianismo”, dizia ele. “Voltem para sua antiga religião.”

Como um incentivo para que os aldeões atendessem a esse pedido, as mulheres receberam saris e os homens, dhotis, vestimentas tradicionais indianas.

Alguns dias depois, em outra ocasião, um pastor que servia em Chhattisgarh foi agredido enquanto realizava uma reunião de oração na casa de um recém-convertido. Um grupo de 50 pessoas invadiu o local e o agrediram, deixando o pastor quase morto, e gravemente ferido. Os cristãos locais e outro pastor foram para o hospital, onde ele permanece em estado crítico.

No dia 22 de novembro, extremistas anticristãos revistaram as casas de todos os cristãos do mesmo vilarejo, e pintaram frases nas paredes que louvavam a seus próprios deuses ou diziam “deixem este lugar. Parem com o trabalho de conversão”.

Cristãos de diversas igrejas pediram ajuda para a polícia local, mas as autoridades só disseram para os cristãos continuarem em suas casas ou igreja enquanto cultuassem, e não nas casas de não cristãos.