Aliança evangélica apoia mudança em lei de blasfêmia

A Aliança Evangélica da Ásia (AEA, em inglês), recebeu com satisfação a sugestão do tribunal paquistanês de alterar a lei de blasfêmia no país

Logo após os ataques em Gojra, em que nove pessoas foram queimadas vivas por uma multidão enfurecida, o governo do Paquistão instituiu um comitê para estudar o Ato de Blasfêmia de 1986, que as organizações de direitos humanos dizem ser usado como um pretexto para atacar as minorias.

O comitê, liderado pelo juiz do Supremo Tribunal de Lahore, Iqbal Hameedur Rehman, recomendou que a lei fosse alterada “sem nenhuma discriminação contra os responsáveis por protestar ou se omitir”.

De acordo com o Daily Times, o relatório alertou o governo a levar a tragédia em Gojra a sério, e se preparar para ajudar os afetados o mais rápido possível.

Agora que foi emitido um documento oficial, o secretário geral da AEA, Richard Howell, pediu para o governo paquistanês “altere a lei de blasfêmia e garanta a igualdade e liberdade de todos os seus cidadãos e, em particular, das minorias.

No documento de 258 páginas, foi relatado ao governo que os envolvidos estavam enfrentando muitos desafios e terrorismo, e não “conseguiria suportar outra fase de conflitos sectários”.

O tribunal também observou que os conflitos eram resultado da “incapacidade de as organizações legais perceberem a gravidade da situação” e “o fracasso completo da polícia ao cumprir seus deveres”.