Ativista cristão entra ilegalmente no país para pregar arrependimento

| 30/12/2009 - 00:00


Um ativista cristão coreano-americano foi da China até a Coreia do Norte para pedir que o líder do país, Kim Jong-Il, se arrependa e liberte os prisioneiros.

Robert Park, 28, cidadão de Tucson, Arizona, EUA, cruzou o rio Tumen e entrou na Coreia do Norte sem permissão, por volta das 17h do dia 25 de dezembro. Seus companheiros ativistas que liberarão a filmagem no sábado, disseram que ele orou antes de cruzar o rio.

Robert gritou, enquanto cruzava o rio: “Eu sou um cidadão americano. Vim falar do amor de Deus. Deus ama você”, conta Jo Sung-Rae, diretor do grupo Pax Koreana.

Os companheiros de Robert disseram que ele recebeu uma visão de Deus sobre a libertação da Coreia do Norte, e acreditava que Deus queria que ele ajudasse a mostrar todo o abuso dos direitos humanos que acontece no estado comunista.

Robert Park carregava uma carta endereçada a Kim Jong-Il quando entrou no país. A carta dizia: “Eu declaro o amor e o perdão de Cristo sobre você hoje. Deus promete misericórdia e graça para aqueles que se arrependem”. Uma cópia da carta foi publicada no site da Pax Koreana.

“Ele ama você e quer salvá-lo. A você e a toda a Coreia do Norte.”

A carta pedia para que Kim Jong-Il fechasse todos os campos de concentração, libertasse os prisioneiros políticos e permitisse que grupos de ajuda humanitária entrassem no país, para distribuir alimentos e remédio.

Antes dessa entrada ousada no país, Robert serviu como missionário, ministrando para desalojados no México. Depois, ele trabalhou na China para dar assistência humanitária e espiritual para os refugiados norte-coreanos, onde deixar o país é ilegal.

O pai de Robert, Pyong Park, disse que seu filho queria uma mudança mais rápida na situação da Coreia do Norte do que a diplomacia estava alcançando. Jo, da Pax Koreana, disse que Robert já se tornou um mártir quando entrou ilegalmente na Coreia do Norte.

Pyong Park também afirmou que seu filho não tinha medo de morrer, mas estava mais preocupado que o mundo conhecesse a situação da Coreia do Norte.

Os pais de Robert receberam notícias de seu filho pela última vez em 23 de dezembro, quando ele escreveu um email: “Saibam que eu estou muito feliz. Milagres maravilhosos estão acontecendo em libertações de norte-coreanos. Veremos uma grande mudança na Coreia e em todo o mundo”.

De acordo com os governos sul-coreano e americano, existem cerca de 160.000 prisioneiros políticos em campos na Coreia do Norte. Entre esses prisioneiros, estima-se que de 40.000 a 60.000 são cristãos. Ser cristão na Coreia do Norte é ilegal.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE