Uma das regiões mais difíceis de se evangelizar

Comores ocupa a 16ª posição na Classificação de países por perseguição. Há praticamente duas Igrejas no país: a Igreja Evangélica Internacional (na capital), e a Igreja clandestina, formada por convertidos comorenses que se reúnem nas casas.

A Igreja Evangélica Internacional foi fundada na década de 1970. Embora haja pessoas de outras nacionalidades que frequentem essa Igreja, ela foi e continua a ser frequentada majoritariamente por indivíduos e famílias malgaxes. Essa Igreja, tradicionalmente, é voltada apenas aos seus membros e não tenta evangelizar os comorenses. Isso se deve, primariamente, ao medo de ser expulsa da ilha, caso alguém seja apanhado compartilhando o cristianismo com os nativos. Entretanto, nos últimos dois anos, houve uma mudança significativa na perspectiva e atuação das áreas humanitárias e espirituais.

Já a Igreja clandestina começou quando o primeiro comorense entregou sua vida ao Senhor, no final da década de 1970. Embora o número de convertidos continue a ser pequeno, ele é crescente em quantidade e qualidade do compromisso. Grupos de comorenses convertidos continuam a se reunir com regularidade nas casas a fim de estudar a Bíblia. Assim como na maioria dos países muçulmanos fechados, a conversão vem acompanhada de dificuldades.

Os líderes cristãos africanos dizem que Comores é a região do mundo mais difícil para se evangelizar. O evangelismo é terminantemente proibido, e quem for pego evangelizando pode ser preso e multado. Os cristãos são discriminados em todos os setores da sociedade, mas não há restrições quanto à prática religiosa particular.

Pedidos de oração

•    Os cristãos sofrem com a pobreza do país. Viagens, evangelismo e a abertura de novas congregações podem ser tarefas difíceis para a Igreja. Além disso, faltam recursos evangelísticos para a implantação de programas maiores. Ore para que a Igreja mundial ajude a Igreja comorense a obter os recursos necessários para a evangelização.

•    A Igreja sofre com a impossibilidade de proclamar o evangelho livremente. Ore para que o governo abrande as restrições e permita tanto a organização de reuniões públicas como a celebração de feriados cristãos.