Esposa e filhos de pastor são assassinados por muçulmanos

| 12/07/2010 - 00:00


Um grupo de muçulmanos em Jhelum, Paquistão, assassinou a esposa e os quatro filhos de um cristão, mas as autoridades locais têm muito medo do líder muçulmano local para prestar queixas.

Jamshed Masih, um policial que foi transferido de Gujrat para Jhelum, província de Punjab, conta que um grupo muçulmano, liderado por Maulana Mahfooz Khan, assassinou sua família no dia 21 de junho, logo depois de Khan o chamar até a mesquita local, pedindo que o cristão deixasse a província.

“Você deve ir embora com sua família, pois não muçulmanos não podem morar nessa colônia. Queremos manter nossa cidade longe da escória”, Khan disse para Masih.

Masih se mudou para a Colônia Mustafa em Jhelum com sua esposa, dois filhos e duas filhas, e moravam em uma casa alugada. Masih soube dos planos e ameaças dos muçulmanos, e decidiu falar sobre o assunto com o líder da Igreja Presbiteriana, Saleem Mall.

O pastor Saleem disse: “É melhor você sair da casa, porque pode ser perigoso; essas pessoas podem machucar sua família”.

O vizinho de Masih, Murtaza, confirmou as ameaças dos muçulmanos e descreveu os incidentes que levaram ao assassinato.

“Razia pediu para que seu filho mais velho fosse comprar sabão, e ele estava cantando um hino ao longo do caminho”. Os vizinhos disseram que o vendedor perguntou para o menino se ele era cristão, e ele respondeu que sim. “Então, o vendedor se recusou a vender o produto, e foi muito grosso com o menino. ‘Eu não vendo nada para não muçulmanos, você não é bem-vindo aqui, não ouse voltar para minha loja’.”

O menino foi para casa, chateado, e contou para sua mãe, que ficou preocupada e ligou para seu marido, dizendo: “Jamshed, volte para casa logo, eu e as crianças estamos preocupados, e devemos sair hoje desta casa”.

Assim que desligou, um grupo de muçulmanos se aproximou da casa e disse: “Seu filho cometeu blasfêmia contra nosso profeta Maomé, e ele não pode ficar vivo”. Razia ficou com medo, e disse: “Meu filho não faria isso, ele só tem 11 anos”.

Eles agrediram a mulher e as crianças, gritando que eles haviam cometido blasfêmia e deviam morrer. Quando Jamshed Masih chegou em casa, encontrou os corpos de sua família, e ficou desolado.

A polícia se recusou a registrar um boletim de ocorrência contra os muçulmanos,  dizendo que havia recebido ordens superiores de não atender aos cristãos.

“Khan é um homem influente, e ele disse que seu filho cometeu blasfêmia, e não podemos fazer nada a respeito.”


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE