Muçulmanos iniciam o jejum do Ramadã

| 10/08/2010 - 00:00


O Ramadã - mês de jejum anual dos muçulmanos - começa na quarta-feira ou quinta-feira, dependendo do país, em condições extremamente rigorosas, com o forte calor que afeta o hemisfério norte.

Quase 1,5 bilhão de muçulmanos no mundo devem iniciar o mês de jejum e as orações rituais do Ramadã, que celebra a revelação divina recebida por Maomé.

O primeiro dia do Ramadã será formalmente determinado na madrugada de terça-feira para quarta-feira, quando em cada país se observar o primeiro quarto crescente da lua. Segundo a nação, o mês de jejum começará na quarta-feira ou quinta-feira e terminará em meados de setembro.

O mês de jejum e orações é um dos cinco pilares do islã, ao lado da profissão de fé, a obrigação de orar cinco vezes por dia, dar esmola e a peregrinação à Meca.

Durante o período, os fiéis devem abster-se de comer, beber, fumar e manter relações sexuais, do amanhecer até o pôr-do-sol. O jejum é concebido como um esforço espiritual e uma luta contra a sedução dos prazeres terrenos.

Vários países demonstraram flexibilidade, levando em consideração as dificuldades de algumas pessoas para cumprir o jejum e os perigos ligados ao verão. Desta maneira, as mulheres grávidas, os enfermos e os turistas estão autorizados a não jejuar.

Nos Emirados Árabes Unidos, uma recente fatwa (decreto religioso) autorizou os trabalhadores expostos ao clima da região a romper o jejum se nãi aguentarem a onda de calor, com o objetivo de evitar a desidratação.

A fatwa foi proclamada após o pedido de um funcionário de uma plataforma de petróleo, que teme pela saúde em condições climáticas extremas.

No Egito, as autoridades decidiram mudar a hora do país durante o mês de jejum e, assim, o sol se ocultará uma hora mais cedo e a hora do iftar - a esperada refeição que encerra o jejum - chegará mais cedo.

O fato do Ramadã coincidir este ano com as férias de verão inquieta a indústria turística da região, preocupada com a possibilidade dos ricos visitantes árabes procedentes da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Kuwait e Líbia optarem por ficar em casa para passar o período tradicional em família.

Por este motivo, o ministério egípcio do Turismo iniciou uma campanha para convencer os ricos turistas árabes, que viajam ao Cairo no verão, que uma vez passado o momento austero do jejum poderão desfrutar de animados jantares com fogos de artifício, espetáculos, concertos e danças folclóricas às margens do Nilo.

O aumento do preço dos alimentos durante o Ramadã é comum em alguns países muçulmanos, em consequência de jantares e festas de família depois do jejum. Na Mauritânia, a alta dos preços de vários produtos de primeira necessidade levou o governo a anunciar "medidas urgentes".

Na França, onde 70% dos mais de cinco milhões de muçulmanos - a maior comunidade na Europa - respeitam o Ramadã, muitas lojas e supermercados estão repletos de carne halal, especiarias e cuscuz, apesar de alguns estabelecimentos se negarem a fazer publicidade abertamente.

Na Indonésia, que com 240 milhões de habitantes é o país muçulmano de maior população do mundo, o ministério das Comunicações anunciou uma ofensiva contra sites pornográficos e faz campanha para a "manutenção dos corações limpos durante o mês sagrado".

O Ramadã acontecerá durante o verão nos próximos anos, já que o cálculo das festas religiosas muçulmanas é feito de acordo com um calendário baseado no ciclo lunar.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE