Quem atacou com armas um monastério ortodoxo?

| 04/03/2004 - 00:00


Jovan, líder da arquidiocésia Ohrid da igreja sérvia ortodoxa macedônica, acusou oficiais do governo de organizarem um ataque no dia 20 de fevereiro em um monastério ligado à sua arquidiocése. Alguém do governo é responsável, se você perguntar para min quem foi, disse ele ao Forum18 em Bitola, sul da Macedônia no dia 23 de fevereiro. Quem mais se atreveria andar 200 metros numa montanha cheia de neve no escuro, armado? Daonde vem a coragem deles? Eles não estão ou não estavam com medo de que as freiras dariam queixa deles ou de que eles possam têr sido vistos por outros na vizinhança?

A Igreja Ortodoxa Sérvia emitiu uma nota condenativa em Belgrado. Está quase provado de que o alvo não era somente o monastério, as freiras e a igreja, como declarado no dia 21 de fevereiro, mas aparentemente a intenção era os bispos da região. A igreja ortodoxa sérvia questionou qual o propósito de alguém ter roubado itens da igreja e livros litúrgicos.

A diocésia ortodoxa sérvia em Kosovo foi mais a fundo, acusando as autoridades macedônias e a igreja ortodoxa macedônia de estar comprometido com os Leões infames, unidade de segurança estatal parlamentar, estabelecida sob a supervisão de instrutores do ex-ditador Milosevic, que foi oficialmente destituído em abril do ano passado.

Entretanto, Mirjana Konsteska, porta voz para o Ministério do Interior, disse que tais alegações do envolvimento do estado no ataque não passaram de especulações da parte igreja ortodoxa sérvia. Não existe qualquer prova de que um dos membros da ex-Leões estivessem envolvidos e eu não posso me basear em especulações como essas, disse ela ao Forum18 em Skopje no dia 24 de fevereiro. Os investigadores e os tribunais irão determinar a acurácia das queixas. Ela disse que o Ministério do Interior iria anunciar os resultados da investigação depois de alguns dias.

A casa de fim de semana de montanha na vila de Nizepolje, dez quilômetros de Bitola, que foi atacada na noite de vinte de fevereiro, tem abrigado o monastério sérvio ortodoxo de St John Chrysostom desde o ano de 2002. Cinco homems encapuzados e armados invadiram, quebraram a mioria dos itens religiosos, roubaram doze ícones, espalharam gasolina nos móveis e atearam fogo e cortaram o cabelo de duas freiras, Renata Mizhimakovska e Dana Stojanovska. As duas freiras foram mais tarde soltas, enquanto que os cinco homems escaparam.

Jovan disse ao Forum18 que no dia do ataque ele e seus amigos bispos Marko e Jovan tinham realizado uma reunião, junto com o secretário, Padre Superior David. Realizamos reuniões em condições extraordinárias. Reunimos nessa casa de fim de semana pois a Macedônia e o poder executivo nos ataca, assim como a chamada igreja ortodoxa macedônia.

Ele disse que depois das quatro da tarde os bispos Marko e Joakim deixaram Skopje, enquanto que o Padre Superior David deixou a capital as seis da tarde, quando já estava escuro. Somente quinze minutos depois de chegar em Bitola, Jovan recebeu ligações de emergência das duas freiras. Estranhamente, meu telefone não estava funcionando direito, disse ele ao Forum18. As freiras correram em direções diferentes. Uma delas parou um carro e ligou para min de um telefone celular. A outra chegou a uma vila e me ligou de uma vizinhança. Elas nos disseram que cinco pessoas armadas tinham invadido a casa, que destruíndo a propriedade, ateando fogo, tendo seus cabelos cortados por eles.

Jovan voltou imediatamente e viu que o fogo tinha queimado tanto dentro como fora da casa. Foi um milagre que a casa não desmoronou. Ele disse que o prejuízo chegou a pelo menos USD 18.860,00. Foi uma situação terrível de ser vista.

No dia seguinte, a polícia e um juíz investigativo local fizeram a reconstituição do ataque, presenciado também por oficiais da Proxima, missão da União Européia para observar, mentorar e aconselhar a polícia macedônia para ajudar a se enquadrar aos padrões europeus, mas sem a participação do poder executivo.

Eu posso confirmar que dois oficiais da Proxima visitaram o local e estiveram presentes na reconstituição, disse a porta-voz da EU, Sheena Thomsom ao Forum18 em Skopje. Não vimos nenhuma inadimplênca da EU e da conduta de oficiais que estivessem inadequadas. A única observação é que alguns documentos na Macedônia foram confiscados, mas isso é aceito sob a lei local, e iremos continuar monitorando a continuação da investigação. Até agora, não houve outras investigações . A polícia de Bitola está protegendo a casa, enquanto o incidente ainda está sob processo de investigação.

Vários casos jurídicos foram lançados nos meses recentes contra o clero. Em um dia de cerimônia de batismo em julho do ano passado e a unidade de liturgia com os monges e freiras que deixaram a Macedônia por uma jurisdição da Sérvia no último mês, são dois casos que ainda estão em andamento. Outros dois foram anunciados: em um deles ele é considerado espião de um estado estrangeiro, e outro que, durante seu reinado como bispo mecedônio de Veles antes de se juntar à Igreja Sérvia, ele teria usado de forma errada um $ 1.000.000,00 de Dinars. Jovan nega todas as acusações. Ainda não recebi as últimas acusações, disse Jovan ao Forum18.

Mas isso é muito sintomático da liberdade religiosa do estado da Macedônia: primeiro o estado nega nossos direitos. Depois o poder executivo nos prende e nos proíbe de nos reunir, questionando-nos como se fôssemos criminosos. Agora o sistema judicial está produzindo um enorme número de acusações e alegações. Ele disse que tudo que ele, junto com seus colegas, pode fazer é entrar com um processo contra o estado da Macedônia com a alegação de violação dos direitos humanos de acordo com o Artigo 9 (1) da Convenção Européia de Direitos Humanos e Liberdade Fundamental, que garante a prática religiosa.

A agência local MIA registrou no dia 09 de fevereiro que o Ministério do Interior emitiu acusações de roubo contra os monges que se juntaram à Igreja Sérvia Ortodoxa em janeiro. Eles são acusados de pegarem cinco livros de liturgia e dois selos no valor de $ 150.000,00 dinars, cerca de USD 3.900,00.

No início desse mês, a Igreja Ortodoxa Grega emitiu um protesto sobre a recusa da polícia macedônia de permitir a entrada de dois padres gregos no país através da fronteira com a cidade de Bogorodica. Os dois planejavam encontrar o clero da arquediocésia da igreja ortodoxa.

As igrejas ortodoxas sérvias e macedônias estão em disputa desde 1967, quando a Igreja Macedônia unilateralmente declarou sua independência da igreja Sérvia. A independência da igreja macedônia não foi reconhecida por nenhuma jurisdição canonial ortodoxa.

Depois de várias tentativas de resolver essa rixa, a Igreja Ortodoxa Sérvia estabilizou a Arquediocésia na Macedônia em 2002, e ordenou Jovan, ex-bispo ortodoxo macedônio a ser o representante patriarcal. Em 2003 outros dois bispos foram consagrados, Marko e Joakim. No início de 2003, cerca de 30 monges e freiras na Macedônia deixaram a igreja deste país e se juntaram a da Sérvia.

Apesar das tensões, Jovan mantém que sua vida religiosa na igreja continua normal. Temos liturgia em Bitola, onde as pessoas têm frequentado as atividades religiosas. Infelizmente, somente sessenta a setenta pessoas podem entrar no apartamento do meu pai, que adaptamos em uma capela, relatou ele.

Jovan disse que sua igreja está planejando publicar as acusações contra o estado da Macedônia devido à declaração de apoio à igreja Ortodoxa Macedônia do dia 23 de janeiro no parlamento. Dentro das duas primeiras sentenças, nossos direitos humanos e religiosos foram retirados. Eles não reconhecem nossa existência, disse ele ao Forum18. O estado não está permitindo nem os cleros da Igreja Ortodoxa Grega e nem da Igreja Ortodoxa Búlgara a temerem que as pessoas verão com quem eles terão a unidade canonial.

Mas Konteska nega que as autoridades macedônias tenham qualquer coisa contra os membros da Igreja Ortodoxa Sérvia. Eles podem praticar a fé deles de maneira livre, disse ela ao Forum18, mas não para ter igrejas privadas em residências e atrapalhar outras pessoas cantando os seus hinos de maneira barulhenta. Ela disse que o Ministério do Interior não está interessado nos problemas internos da igreja mas somente nas pessoas que violam a lei. Ela ressaltou que Jovan está enfrentando inúmeras acusações criminais, mas rejeitou a hipótese que tais acusações tivessem sido motivadas por qualquer hostilidade da parte dos oficiais à Igreja Sérvia. Nós não punimos Jovan por sua fé, mas por violar a lei.

Konteska também negou que as autoridades tivessem previnido padres estrangeiros de visitar a Macedônia. Mas nenhum padre estrangeiro pode entrar no país trajando vestes religiosas ao menos que ele tenha recebido um convite oficial da parte da comunidade religiosa - isso vale para padres católicos e imãs muçulmanos. Ela disse que a Arquediocésia está livre para convidar qualquer clero estrangeiro.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE