Paquistanesa condenada por "blasfêmia" está triste e abalada

A primeira mulher a ser condenada à morte no Paquistão por suposta blasfêmia contra o islã está abalada e triste por nunca foi convidada para uma declaração em sua defesa.

Em entrevista a Compass Direct News na prisão de Sheikhupura, Asia Noreen declarou emocionada e com uma voz trêmula que estava muito triste e abalada.

A mãe de dois filhos e madrasta de outros três se voltou para a Compass e fez uma pergunta que ninguém foi capaz de responder:  "Como pode uma pessoa inocente ser acusada, ter um caso em tribunal depois de um falso FIR , e então ser dada a sentença de morte, sem sequer uma vez levando em consideração o que ele ou ela tem a dizer?"

Presa em junho 19 de 2009, Asia (alternativamente escrito Aaysa) Noreen foi acusado de blasfêmia contra Maomé e difamação do islã. Sob pressão de islâmicos, um juiz a condenou ante os estatutos de blasfêmia do Paquistão em 8 de novembro de 2010.

"Eu não sei por que - quando entrei no tribunal naquele dia, eu já sabia", disse ela. “E quando o juiz anunciou a minha sentença de morte, eu chorei e lamentei. Em todo o ano que passei nessa prisão, não fui uma vez sequer fazer a minha declaração no tribunal. Não fui chamada nem por parte dos advogados ou pelo juiz. Depois disso, perdi a esperança de que algum tipo de justiça possa ser dado a mim.”

Noreen disse que o incidente foi resultado de uma "conspiração planejada" para "ensinar-lhe uma lição” já que os aldeões em Ittanwali, perto Nankana Sahib cerca de 75 km (47 milhas) de Lahore, não gostavam de ela e sua família.

"Eles dizem que eu confessei o meu crime, mas o fato é que eu disse que estava arrependida por qualquer palavra que poderia ter dito durante a discussão que poderia ter ferido os seus sentimentos", declara. "O que as pessoas da minha aldeia me acusaram é uma mentira completa".