Primeiras prisões de agressores à igreja em Bagdá

| 29/11/2010 - 00:00


Quase um mês depois de um dos piores ataques contra cristãos no Iraque, houve a primeira detenção, segundo um funcionário do ministério do interior no sábado, dia 27 de novembro.

Sob condição de anonimato, um funcionário falou à agência France-Presse que 12 membros do grupo responsável pelo ataque à igreja em 31 de outubro em Bagdá, foram presos.

O grupo militante sunita do estado islâmico do Iraque assumiu a responsabilidade pelo ataque contra os cristãos da Nossa Senhora da Salvação, igreja matriz católica de Bagdá. Os militantes invadiram a igreja durante uma missa vestindo coletes suicidas e fizeram cerca de 120 pessoas como reféns. Foram mortas 60 pessoas, principalmente cristãos, e outras dezenas ficaram feridas.

Desde então, os ataques anticristãos continuaram. Os líderes da igreja e da comunidade internacional condenaram os ataques.

O porta-voz da Segurança Nacional dos Estados Unidos Mike Hammer, disse em comunicado que a América condena veementemente os ataques terroristas no Iraque e ofereceram condolências às famílias das vítimas.

O Papa Bento XVI qualificou o ataque de "absurdo" e o Conselho Mundial de Igrejas também denunciou a violência.

Enquanto isso, a defesa dos direitos humanos diz que os extremistas estão concentrados em eliminar o cristianismo do Iraque.

"Uso a palavra religião para explicar às pessoas o que realmente está acontecendo no Iraque agora," disse Carl Moeller, presidente da Portas Abertas nos EUA.

O Alto Comissariado da ONU para os refugiados estimou no ano passado que, desde a invasão americana liderada no Iraque em 2003, até 500 mil cristãos deixaram o país. Anteriormente, cerca de 1,2 milhões de cristãos viviam no Iraque.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE