A pequena comunidade cristã no Iraque é atingida por bombardeio

| 03/01/2011 - 00:00


Bombas contra casas cristãs em Bagdá mataram duas pessoas e feriram mais de uma dúzia na quinta-feira à noite.

Foi outra onda de ataques contra a pequena população cristã, a qual está ainda abalada com o massacre em outubro, que deixou dezenas de adoradores mortos e forçou milhares a fugirem do país.

Enquanto muitos cristãos iraquianos estavam indecisos em permanecer em sua terra natal ou deixar para escapar do perigo e perseguição, os últimos ataques os convenceram a fugir.

“Nós vamos amar o Iraque para sempre, mas nós temos que sair daqui imediatamente para sobreviver,” disse Noor Isam, 30, ao The New York Times. “Eu perguntaria ao governo, ‘Onde está a segurança prometida aos cristãos?”

Durante os últimos dois meses, os Cristãos do Iraque viveram com medo e incerteza, enquanto militantes ligados à Al Qaeda efetivamente declararam guerra contra a minoria.

O Estado Islâmico do Iraque, um grupo guarda-chuva para o grupo de Islâmicos Sunitas insurgentes que inclui a Al Qaeda, assumiram responsabilidade pelo ataque de 31 de outubro na Igreja Nossa Senhora da Salvação que deixou pelo menos 58 pessoas mortas, e ameaçou mais ataques. Menos de duas semanas depois, pelo menos 11 bombas explodiram em três vizinhanças cristãs em Bagdá, matando cinco pessoas. O grupo militante também se responsabilizou pela violência de novembro.

O medo tem paralisado muitos dos cristãos, que têm se recusado a deixar suas casas por causa da chance de serem alvos nas ruas. Mas os últimos ataques são evidências de que há pouco refúgio para cristãos no Bagdá.

Tendo em vista o massacre da Igreja, pelo menos 1000 famílias cristãs fugiram do Bagdá para o norte do Iraque ou para países próximos ao Jordão, Síria e Turquia. A população cristã diminuiu dramaticamente desde a invasão norte-americana em 2003 quando havia estimadamente 1,4 milhões de cristãos. Hoje, a população caiu para menos que a metade.

As autoridades iraquianas reconheceram a falha do governo em proteger a minoria decrescente.

O Major Hashim Ahmed, um investigador da polícia, admitiu, “a falha de nossos comandantes e do governo foi clara, porque eles não tomaram medidas sérias,” como relatado pelo The New York Times.

Grupos de direitos humanos urgiram orações pelos cristãos iraquianos. A Portas Abertas Estados Unidos chamou a violência de nada menos que “religiocídio,” ou uma dizimação de uma comunidade histórica religiosa.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE