Cristãos emitem chamado de oração pela paz para a votação do referendo

| 13/01/2011 - 00:00


Cristãos ao redor do mundo estão sendo convidados a participar na oração antes do referendo no sul do Sudão no domingo.

A Aliança Batista Mundial lançou um apelo na quarta-feira aos seus 37 milhões de membros, pedindo-lhes para orar por "um processo eleitoral transparente, seguro e com resultados que são respeitados por todas as partes, especialmente com a possibilidade de secessão do sul."

A semana do referendo marca o culminar de um processo de seis anos que começou com o Acordo Geral de Paz de 2005, que foi assinado para pôr fim a mais de duas décadas de guerra civil. A guerra deixou cerca de 2 milhões de mortos.

Quase 4 milhões de pessoas estão registradas para votar no início de domingo e espera-se que a maioria cristã do sul se separe da maioria muçulmana do norte.

Com a ameaça potencial do maior país da África voltar a ter outra guerra, bem como os líderes da igreja em todo o mundo são celebridades de reunião de uma eleição pacífica.
Apesar do exame minucioso da comunidade internacional, há uma preocupação sobre a transparência e equidade do referendo, e temores de que o resultado possa não ser respeitado pelo norte.

Millius Palawiya, diretor do Fellowship of Reconciliation Inglaterra, comentou: "Desde o meu envolvimento com o processo de paz na Serra Leoa eu sei o quanto é importante para todas as partes do conflito (de baixo para cima) se reconciliarem uns com os outros para o bem de todos e da criação de uma ‘comunidade amada’, e para os órgãos regionais e internacionais apoiarem as e serem fiadores de uma resolução pacífica do conflito."

John Cooper, arrecadador de fundos para o trabalho internacional da irmandade, também apontou, "a transição política pode testar o compromisso de muitas pessoas de promoverem a paz enquanto estruturas de poder confortáveis mudam ou se movem."
As esperanças de paz no sul do país ganharam um novo impulso, quarta-feira, quando se chegou ao acordo de cessar-fogo entre as forças do renegado general George Athor e o governo do Sul do Sudão.

O acordo assinala o fim da rebelião do general no sul. O acordo foi assinado em uma cerimônia na capital Juba atendida pelo vice-presidente do sul do Sudão, Riek Machar, Abraão Thon, um representante do General Athor, David Gressly, o chefe da ONU no sul do Sudão, e mais o reverendo Daniel Deng, arcebispo da Igreja episcopal do Sudão.

"Este é o fim dos problemas no sul do Sudão," disse Thon, segundo a Bloomberg. "Queremos dizer ao mundo que somos responsáveis o suficiente para governar a nós mesmos."

Junto com um referendo pacífico, os cristãos são convidados a orar para a plena liberdade religiosa e para a proteção segura das minorias cristãs no norte. O presidente sudanês, Omar al-Bashir, advertiu que se o Sul se separar, vai alterar a Constituição do norte para que a lei sharia (islâmica) se a torne a principal fonte de legislação.

O repórter Brian Hutt do Christian Today em Londres contribuiu para este relatório.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE