Líder de gangue muçulmana aterroriza cristãos coptas

No dia 30 de março, dez organizações de direitos humanos iniciaram um protesto em frente ao prédio do Escritório Geral de Advocacia para atrair a atenção pública para a tragédia na vida de 9 mil aldeões coptas que estão vivendo no medo desde o fim de janeiro. Ativistas e aldeões foram reunidos pelo advogado Peter elNaggar, que registrou queixa contra o policial muçulmano Ali Hussein, apelidado de “Holaku”, por causa do líder Mongol.

Hussein foi acusado de aterrorizar os coptas, estuprando suas esposas e sequestrando seus filhos para poder pedir resgate. O advogado elNaggar disse que se essas acusações forem comprovadas, podem ser puníveis com a morte.

As forças de segurança foram informadas em janeiro sobre os incidentes nos dois vilarejos “mas fizeram vista grossa”, disse o cristão copta Nader Shoukry, que tornou a questão pública após registrar todos os crimes contra os aldeões coptas.

O terror teve início no dia 28 de janeiro, quando Ali Hussein atacou o cristão copta Khalil Suweiha e sua família. O senhor Suweiha registrou uma queixa, mas foi forçado a retirar as acusações após ser ameaçado por Hussein e sua gangue armada.

Então, Hussein começou a extorquir dinheiro dos coptas e a atacar suas casas. Todos eles tiveram que retirar suas queixas contra o muçulmano.

De acordo com Shoukry, “Ali Hussein elegeu-se governador de dois vilarejos apesar da existência de prefeitos. Ele está cometendo injustiças e atos de tirania apenas contra os aldeões cristãos. Ele caminha nas casas dos cristãos, carregando uma arma em seus ombros, seguido por seus parentes e aliados”. Ele acrescenta que Hussein e sua gangue declararam-se governantes dos cristãos coptas. Os incidentes de extorsão, roubo, destruição de colheitas e sequestro de crianças se tornaram tão comuns que muitas famílias estão deixando os vilarejos porque não têm mais dinheiro para entregar.

Na manhã de domingo, 3 de abril, a polícia e as forças armadas invadiram o vilarejo para prender Hussein e sua gangue, mas ele foi informado sobre a ação e conseguiu fugir. Somente alguns integrantes de seu grupo foram presos. A polícia permaneceu apenas três horas nos vilarejos, deixando novamente os coptas à mercê de Ali Hussein.

Os ativistas e aldeões estão programando mais uma manifestação para pedir justiça e proteção para as autoridades. Ore para que o coração dos governantes seja movido em favor desses cristãos, para que a perseguição cesse e Ali Hussein encontre o amor de Cristo.