Cristãos malásios buscam meios de acabar com as restrições às Bíblias

| 08/04/2011 - 00:00


Os cristãos responsáveis pela importação e impressão de Bíblias na Malásia disseram que tem sofrido diversas restrições por causa de imposições que o governo tem feito a eles.
 
No dia 15 de março de 2009, o governo confiscou um carregamento de 5.100 Bíblias e, sem consultar o proprietário (a Sociedade Bíblica da Malásia), aplicou um selo do governo em cada uma delas. A justificativa oficial foi que elas deveriam ser apenas usadas pelos cristãos.

Em janeiro de 2011, mais 30 mil Bíblias foram confiscadas e permanecem no porto de Borneo. Elas pertencem ao ministério Gideões Internacionais, mas segundo informações oficiais só poderão ser retiradas após o governo aplicar o selo.

Os cristãos malásios não querem aceitar as condições impostas pelo governo e estão buscando meios de reaver os materiais. Apesar disso, o governo insiste em dizer que o ato de selar as Bíblias e cadastrá-las é apenas um procedimento padrão e, após as manifestações, somente aceitou alterar o tipo de selo para outro que diz: “Somente para cristãos”.
 
Alguns cristãos que possuíam recursos fizeram uma oferta para o governo para comprar os lotes de Bíblias confiscados e, após o governo anunciar isso, Sociedade Bíblica da Malásia decidiu buscar seus materiais sob a condição de que não aceitaria ser indenizada pelos cristãos, mas somente pelo governo. A justificava para recolher as Bíblias foi: “fizemos isso para prevenir a possibilidade de novos atos de desrespeito e profanação”.

Os líderes afirmaram que não venderão as Bíblias e que elas serão preservadas como parte da herança da Igreja na Malásia. Em resposta a esses incidentes, o governo aumentou as restrições de impressão e importação de Bíblias nas línguas indígenas na Malásia, com exceção das cidades  Sarawak e Sabah, onde 64% dos cristãos são indígenas. Ali essas proibições e restrições não terão validade.

Na parte do sul do país, que é predominantemente muçulmana, os cristãos só poderão adquirir Bíblias agora com o selo do governo na capa, identificando o material como cristão.

Esse problema com as Bíblias está diretamente ligado com a disputa entre cristãos e muçulmanos para o uso da palavra “Allah”. Não muçulmanos não podem usar essa palavra em nenhum tipo de publicação.

Os cristãos compõem 9% da população malásia com um total de 28 milhões. Por isso, ore para que eles consigam enfrentar essas novas dificuldades.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE