Cristão refugiado está sob ameaça

| 27/05/2011 - 00:00


Em maio de 2010, um canal de TV do Afeganistão transmitiu imagens de batismos de afegãos muçulmanos convertidos ao cristianismo, o que levou um membro do parlamento a pedir a execução de quem tivesse feito tais ações. Nesse momento, o presidente Hamid Karzai deveria ter apoiado o direito dos cristãos de escolher sua própria religião. Em vez disso, o governo pediu uma investigação sobre o que as organizações humanitárias cristãs estão promovendo.

A investigação resultou na prisão de um cristão afegão chamado Said Musa, que foi acusado de apostasia e sentenciado à morte pelo Tribunal. Depois de esforços exaustivos para conseguir sua libertação, Musa foi finalmente liberto e teve de deixar o país.

Depois da prisão de Musa, muitos cristãos afegãos fugiram para a segurança de Cabul: alguns tiveram que se esconder, isolando-se em aldeias até que a situação se acalme, enquanto outros foram para a Índia ou o Paquistão.

Apesar da aparente confiança da ONU no Afeganistão, de que estão sendo seguidos os procedimentos constitucionais para proteger as liberdades presentes na Declaração Universal dos Direitos dos Homens, da qual o Afeganistão faz parte como signatário, as ocorrências recentes mostram o contrário. O quadro atual é de perseguição religiosa, em que cristãos são presos e, eventualmente, executados por apostasia.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE