Reino Unido pode restringir o uso da sharia

| 16/06/2011 - 00:00


O bispo Michael Nazir-Alil demonstrou seu apoio a um projeto de lei apresentado na Câmara dos Lordes esta semana. A intenção da lei é restringir a influência da lei islâmica, sharia, no país.

A sharia é usada em cerca de 85 conselhos e tribunais arbitrais muçulmanos em todo o Reino Unido.

O projeto de lei, apresentado pela baronesa Caroline Cox, propõe a proibição do uso da lei islâmica quando em conflito com a lei inglesa, como no caso da discriminação contra as mulheres e os não-muçulmanos. Esse projeto surgiu em razão do grande preconceito sofrido pelas mulheres muçulmanas no sistema de lei islâmico.

A lei propõe a proteção das mulheres, interrompendo decisões discriminatórias contrárias à legislação do Reino Unido, e garantindo que a sharia atue somente sob a jurisdição do Estado, o que não acontece atualmente.

A baronesa disse estar “profundamente preocupada” com o tratamento que as mulheres muçulmanas recebem nos tribunais da sharia. “Igualdade perante a lei é um valor fundamental da justiça britânica”, disse ela.

Expressando seu apoio ao projeto de lei, o bispo Nazir-Ali disse que a sharia é “inerente e desigual.”

“Os muçulmanos e os não muçulmanos são tratados de forma desigual. Similarmente, os homens e as mulheres são tratados de forma desigual”, disse ele. Ele alertou que a igualdade perante a lei seria “imediatamente comprometida”, se a lei islâmica fosse reconhecida como direito público no país.

O bispo ainda acrescentou: “Precisamos ter certeza de que as pessoas têm livre acesso aos tribunais e igual proteção do Estado, na medida em que seus direitos  fundamentais estão em causa.”


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE