Comunidades religiosas são acusadas de extremismo religioso

Comunidades religiosas de muitas crenças – incluindo cristãos protestantes, muçulmanos e testemunhas de Jeová – enfrentam processos administrativos e criminais, desde que promotores começaram a restringir suas atividades ou puni-los pelas já realizadas.

Em 5 de julho, a igreja de Khabarovsk da Graça vai desafiar a proibição de suas atividades, embora a preocupação sejam as acusações criminais, uma delas contra o líder da igreja, o pastor Vladmir Pak. A igreja Nova Geração, em Blagoveshchensk, também está prestes a ir contra a proibição de distribuir as gravações de seus sermões.

Mikhail Odintsov, alto oficial que lida com questões religiosas de Direitos Humanos na Rússia, em Moscou, está preocupado com os muitos casos nos tribunais contra as comunidades religiosas, incluindo os casos das igrejas de Khabarovsk e a igreja em Blagoveshchensk.

“Formalmente, os funcionários dizem que estão garantindo o cumprimento da lei”, disse Odintsov. “Mas muitos desses casos acontecem com violações do direito à liberdade de consciência, violações dos direitos das organizações religiosas e violações à separação entre Igreja e Estado.”

Odintsov observou que, embora muitos casos contra as comunidades religiosas sejam por suspeita de atividades “extremistas” ou distribuição de material “extremista”, cuja maioria ele considera infundados, os funcionários, muitas vezes, usam outros encargos penais ou administrativos contra essas comunidades. “Mas todos eles fazem parte desse complexo plano de medidas contra as comunidades religiosas”.

Em um comentário do pastor Mikhail Darbinyan, da igreja Nova Geração, feito em 19 de março, ele descreveu como “ilegais” e como “discriminação por motivos religiosos” essas medidas. Queixou-se de que este foi o último de uma série de processos judiciais instaurados pelo procurador de Blagoveshchensk contra a sua igreja.

A igreja Nova Geração, que tem cerca de mil membros, queixou-se das inspeções feitas pelas autoridades locais, pois os processos judiciais subsequentes começaram quando a igreja declarou sua intenção de estabelecer um seminário teológico lá. Num dos casos, a igreja ganhou a causa por oferecer ensino bíblico sobre religião.

“O ministério público está tomando essas ações porque a igreja é grande, ativa e faz muitos trabalhos sociais”, disse Ryakhovsky, advogado da igreja. “A igreja é bem conhecida na cidade e isso não agrada ao governo.”