"Cristãos são uma ponte para o Islã", diz professor

“No norte do Iraque, os cristãos são uma ponte para o Islã. A partir disso, talvez o Ocidente possa fazer mais por eles.” Essas são as palavras do professor Hans Hollenwger, um dos cofundadores da “Iniciativa Cristã no Oriente” e, até 1995, professor de estudos litúrgicos em Linz, na Áustria.

Ele estava falando do auxílio da organização Ajuda à Igreja Que Sofre  (ACN), em relação à situação dos cristãos no Iraque, considerando que cristãos no sul do país, como em Bagdá e Mosul, temem por suas vidas.

Dois terços dos cristãos no norte do Iraque pertencem à Igreja Católica, enquanto os outros são cristãos ortodoxos sírios ou armênios. “Essas igrejas são antigas, sempre estiveram lá e por muitos anos extremistas islâmicos cultivaram uma relação predominantemente pacífica com seus vizinhos”, disse o professor Hollenwger.

“Agora, os extremistas islâmicos estão tentando destruir essa convivência”, disse ele. “Enquanto isso, os representantes curdos expressam o desejo de que os cristãos permaneçam no país.”

O professor tem se comprometido com a causa dos cristãos no Oriente há mais de 20 anos e é um visitante regular do Iraque. Ele diz que o Ocidente não está fazendo o suficiente pelos cristãos no país e defende que são esses cristãos que podem construir pontes entre diferentes religiões e grupos étnicos.

A organização tem apoiado os cristãos iraquianos durante anos. De acordo com estimativas, existem cerca de 300 mil vivendo às margens do rio Eufrates e do Tigre. A ACN ajuda, entre outras coisas, na construção e reconstrução de igrejas e templos, bem como na formação de líderes.

O objetivo principal é fazer o possível para que os cristãos iraquianos e suas comunidades religiosas encontrem um lugar seguro em seu país, para poderem professar livremente sua fé e suas crenças.