Pastor é detido por autoridades

As autoridades detiveram o pastor Batista e sua esposa junto com mais 21 pessoas, em Cuba, depois de o pastor pedir apoio aos pastores que perderam seus cargos.

O pastor Mario Batista Felix Lleonart e sua esposa, Yoaxis, faziam parte de um grupo de 23 pessoas detidas pela polícia cubana em 26 de junho. A detenção os impediu de assistir ao culto na cidade de Santa Clara, onde foi realizado um protesto em apoio ao pastor que foi removido de seu posto de forma controversa.

O grupo foi detido pela polícia por volta das 10 horas da manhã de domingo e liberado cinco horas depois, após o término do culto. O pastor Mário é um defensor da liberdade de expressão, tem um blog e é um líder religioso muito conhecido.

O protesto foi realizado em apoio ao pastor Yordi Toranzo, tirado de sua posição como pastor por se dar apoio pastoral aos ativistas dos direitos humanos e membros da oposição política do país.

O pastor Homero Carbonell emitiu um comunicado público no início de 2011, explicando que ele e sua igreja estavam sofrendo grande pressão, por parte do governo, para expulsar familiares de presos políticos. Os pastores Carbonell e Toranzo também estavam envolvidos em uma marcha, no domingo de Páscoa, que atraiu milhares de pessoas e irritou as autoridades.

A igreja metodista de Santa Clara emitiu uma declaração pública, pedindo que houvesse a reversão da decisão em relação ao caso do pastor Toranzo.

Em resposta aos fatos ocorridos, Andrew Johnston, diretor de advocacia da CSW, disse: “Nós condenamos firmemente a pressão sobre os líderes da igreja em Cuba para que neguem apoio a membros de sua congregação por causa de sua afiliação política. Apelamos ao governo cubano para não interferir nos assuntos internos das organizações religiosas.”