Muçulmanos são condenados por assassinato de cristão

Três muçulmanos foram condenados pela morte de um cristão em Punjab, no Paquistão. Eles mataram o cristão por ele se recusar a se converter ao islamismo no ano passado e foram sentenciados à prisão perpétua.

Sessões do Tribunal em Mian Channu, em 7 de julho, condenaram Ghulam Rasool, Amjad Iqbal e Kashir Saleem por matar Rasheed Masih em 9 de março de 2010, tendo sido  condenados à prisão perpétua, que no Paquistão é o mesmo que 25 anos. O tribunal também condenou cada um a pagar cerca de 100 mil rúpias (1.153 dólares americanos) à família de Masih.

“O tratamento que a polícia apresentou ao investigar o caso foi cruel. No entanto, os extensos trabalhos da nossa equipe de advogados no Paquistão e nos Estados Unidos resultaram na condenação dos três acusados,” disse Asif Aqeel, diretor da base do Paquistão do Centro Europeu para Direitos e Justiça (ECLJ).

A família de Masih disse que está agradecida pelo empenho dos advogados da ECLJ, que auxiliaram o tribunal a tomar a decisão correta neste caso.

Segundo o irmão da vítima, Aqeel disse  que os empresários muçulmanos estavam com inveja do sucesso comercial de Rasheed Masih como comerciante de batatas em Mian Channu, porque ele era cristão.

Quando a vítima, de 36 anos, se encontrou com os acusados em sua casa para discutir negócios, em março de 2010, perguntaram-lhe se ele ia se converter ao islamismo. Quando ele deu a resposta negativa, os quatro muçulmanos o espancaram até a morte com barras de ferro.

O reverendo Iqbal Masih, da Igreja Paroquial em Mian Channu, disse à Compass que Masih e seu irmão eram  cristãos devotos e que ambos haviam se recusado a se converter ao islamismo.