O desafio de ser um cristão ex-muçulmano na China

Abdul conta como encontra motivação para manter a fé em Jesus mesmo isolado de outros irmãos na fé

| 06/10/2020 - 16:30

Um cristão ex-muçulmano enfrenta a perseguição do governo e da família na China

Um cristão ex-muçulmano enfrenta a perseguição do governo e da família na China


Apesar das inúmeras ações do Partido Comunista que restringiram a liberdade religiosa na China, uma parte da população ainda mantém a fé em religiões como budismo, cristianismo, ateísmo, islamismo, hinduísmo, judaísmo e outras crenças étnicas.

Atualmente, há no país 21 milhões de muçulmanos, 1,5% da população total. Muitos deles pertencem a minorias étnicas, predominantemente islâmicas, como os uigures. A vida dos cristãos nesses grupos minoritários é solitária e também repleta de perseguição. Abdul* convive com essas consequências desde que encontrou Jesus há 10 anos. Após uma viagem de trabalho, ele voltou diferente e contou aos familiares e amigos sobre a mudança de fé. Então, passou a experimentar a rejeição e agressões verbais de parentes, amigos e vizinhos. “Esse é o preço que você paga por seguir a Jesus no Norte da China”, testemunha o cristão.

Segundo Abdul, as pessoas que moram na aldeia dele já “nascem” muçulmanas, mas muitas não sabem o que o livro sagrado islâmico realmente diz. “Os professores do Alcorão dizem que eles são os escolhidos e, para serem bons muçulmanos, devem temer a deus, fazer as cinco orações rituais todos os dias, evitar comer carne de porco e ficar longe do álcool”, explica. Mas quando alguém do meio deles muda de fé, eles se sentem obrigados a lutar, já que as tradições religiosas foram “atacadas”.

Familiarizado com a perseguição

Em uma ocasião, jovens da aldeia espalharam o rebanho de ovelha de Abdul por toda a encosta. Eles agiram dessa forma gritando que Abdul era um herege. “Você poderia dizer que já estou acostumado com isso”, diz o cristão. Porém, um dia uma experiência com Deus transformou a vida solitária dele. “Eu me sentia tão sozinho e desesperado que decidi jejuar por três dias e clamar a Deus. Repetidamente perguntei a ele se realmente estava lá e implorei que se mostrasse a mim”, conta.

No segundo dia, quando terminou de orar, uma rajada de vento envolveu Abdul. “O vento estava quente e reconfortante. Era como se Deus pai estivesse me envolvendo no amor dele. Eu podia literalmente sentir a presença dele. E então, de repente, o vento foi embora”, revela. O cristão reconhece que é difícil explicar o que aconteceu, mas as consequências da experiência foram nítidas na vida dele: "Aquela visita da presença de Deus foi o suficiente para me ajudar nos próximos dois anos. Assim que o vento parou naquele dia, eu estava tão feliz que não conseguia parar de rir e cantar!".

Abdul ainda continua sendo o único cristão da aldeia onde vive, porém, afirmou que o Senhor tem renovado as forças dele e pede que mais irmãos em Cristo o visitem. “O bom de viver aqui nas pastagens é que é mais fácil encontrar um lugar para adorar ao Senhor livremente. Então, por favor, continue vindo me visitar para que possamos ter mais momentos de comunhão. Vocês são sempre bem-vindos!", finaliza.

* Nomes alterados por segurança.

Pedidos de oração

  • Agradeça a Deus pelo sustento que ele tem dado a Abdul. Peça que mais pessoas se acheguem a Jesus pelo testemunho do cristão.
  • Interceda por outros cristãos isolados na China, para que sejam fortalecidos por Deus e não se cansem de viver o amor de Jesus.
  • Clame pela conversão das pessoas da aldeia de Abdul e região. Que logo eles possam se reunir como igreja.

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE