O impacto da alfabetização em etnia de Mianmar

Projeto ajudou toda uma tribo a recuperar a identidade cultural e social e a anunciar o evangelho a seu povo

| 08/09/2018 - 00:00

No mundo hoje, a alfabetização ainda é privilégio de poucos

No mundo hoje, a alfabetização ainda é privilégio de poucos


“Nosso professor de alfabetização nos ensinou a amar e valorizar nosso povo e nos ensinou sobre religião”, declara Zaw, que pertence a um subgrupo da etnia chin de Mianmar. Seu povo tem suas próprias tradições, língua e crenças religiosas. Mas tudo isso está se perdendo aos poucos conforme eles são influenciados e dominados pela etnia majoritária birmanesa e sua cultura budista.

Em 2017, Zaw participou de um curso de alfabetização que ajudou tanto a ela como seus compatriotas a perceberem a necessidade de recuperar sua identidade e língua. O colaborador local Mar*, diz: “Nosso objetivo era ajudá-los a reaprender sua própria língua e ensiná-la às próximas gerações. E, no processo, eles recuperam sua identidade e a segurança para amar sua cultura”. Hoje, no Dia Mundial da Alfabetização, damos graças a Deus por projetos de alfabetização para cristãos perseguidos, como os dessa tribo em Mianmar.

Alfabetização como meio de anunciar o evangelho
Alguns anos atrás, com a ajuda da Portas Abertas, a tribo criou um conselho de alfabetização, que fez registros escritos da língua para ajudá-los a ensinar. Promover a língua os ajudou também a ser mais unidos e anunciar o evangelho à sua comunidade. Uma das razões pelas quais essa tribo foi escolhida para o projeto é que ela é formada por 90% de não cristãos. Dos 56 participantes do curso, apenas três eram da família da fé.

“A alfabetização é uma porta de entrada para evangelizar este povo”, explica Mar. E foi o que aconteceu, pois o curso despertou o desejo de alcançar os não cristãos da tribo. No entanto, os cristãos ainda não têm a Bíblia em sua própria língua. Mar diz que os participantes do curso serão capazes de traduzir a Bíblia quando forem proficientes em sua própria língua. Canções cristãs estão sendo traduzidas para a língua local pelos próprios nativos com a ajuda da Portas Abertas.

Com o apoio de nossos parceiros, já treinamos 200 jovens professores, como Zaw. Com o certificado que recebem, poderão dar aulas em escolas do governo. Cento e vinte desses professores foram selecionados pelo governo para ensinar sua língua nos vilarejos. Zaw conclui com uma bênção sobre todos o que a ajudaram a recuperar sua identidade e língua: “Que Deus os abençoe por todas suas contribuições”.

*Nome alterado por segurança.

Pedidos de oração

  • Ore para que o curso de alfabetização traga também a salvação para os não cristãos dessa tribo.
  • Interceda pela tradução da Bíblia na língua local.
  • Louve a Deus por esse curso, que já fez com que pessoas reconquistassem o orgulho e a paixão por sua cultura e herança.

Leia também
Conflitos com cristãos tribais em Mianmar são ignorados
Missionárias são agredidas em vila budista de Mianmar
Igrejas bombardeadas são substituídas por templos budistas


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE