O que foi a queda de Derg na Etiópia?

Veja como os cristãos estão sendo apoiados no país

Hoje, comemora-se 30 anos da queda de Derg, na Etiópia. Essa foi uma junta militar comunista que tomou o poder no país em 1974. O nome Derg significa comitê ou conselho na língua etíope e também é uma abreviatura para “Comitê de Coordenação das Forças Armadas, Polícia e Exército Territorial”. A Derg era composta por cerca de 120 oficiais militares que governaram o país, com o passar dos anos alguns membros morreram ou foram expulsos.

No período em que a Etiópia foi governada pela Derg, aconteceu a guerra civil no país. Todo o território estava mergulhado em uma onda de violência e os inimigos do conselho eram executados sem direito a julgamento. Nessa época, houve muitas denúncias de violações de direitos humanos e a população passou a enfrentar um crescimento maior da fome. A Derg acabou quando as forças rebeldes tomaram o poder em 1991.

Como é a situação dos cristãos na Etiópia hoje?

Hoje, há 67,4 milhões de cristãos na Etiópia, mais da metade da população de 112,7 milhões de pessoas. Porém, isso não garante que não exista hostilidade contra os seguidores de Jesus no país, que ocupa a 36ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2021.

Por causa dos laços com o governo, a Igreja Ortodoxa Etíope costuma perseguir muitas denominações protestantes e pentecostais. A pressão também vem da família e da comunidade, por isso muitos seguidores de Cristo estão proibidos de realizar atividades religiosas.

Outro inimigo dos cristãos na Etiópia é o extremismo islâmico, principalmente nas regiões leste e sudeste da nação. Nesses territórios, aqueles que decidem seguir a Jesus são marginalizados, pois não têm acessos aos recursos públicos, a empregos e vivem na miséria. Além disso, convivem com o medo de ataques extremistas a casas e igrejas.

Como a Portas Abertas atua na Etiópia?

A Portas Abertas contou a história de Khalid e de como ele teve a vida mudada após encontrar Jesus. Por ser um cristão ex-muçulmano, precisou de ajuda para abrir o próprio negócio e conseguir sustentar a família. Mas em 2020, ele perdeu a plantação de milho por causa de ataques de gafanhotos e teve os negócio abalado devido ao aumento de violência na região.

Mas Khalid permaneceu firme em Deus, tocou o negócio e enviou a esposa e as filhas para um local mais seguro. As coisas se acalmaram na região e Mulu, Sarah, Deborah e Lydia puderam retornar para casa. “Frequentamos a igreja regularmente e tento visitar lugares onde posso testemunhar para aqueles que ainda não ouviram sobre Cristo”, explica o cristão.

A fidelidade de Khalid a Jesus impactou os parentes dele, e agora a mãe e duas irmãs também passaram a seguir a Cristo. O cristão ex-muçulmano tem o coração grato aos parceiros da Portas Abertas e reconhece a generosidade da família na fé: “Porque vocês são abençoados, nós também somos abençoados”.

Apoie irmãos na Etiópia

Assim como Khalid, outros irmãos em Cristo precisam de apoio para sair da vulnerabilidade e da pobreza extrema na Etiópia. Seja resposta de oração dos cristãos etíopes, doe agora

Pedidos de oração