Promessas de liberdade religiosa não impactam os cristãos no Sudão

Mesmo com a assinatura de um acordo sobre liberdade religiosa, as coisas ainda não mudaram no país

| 06/04/2021 - 16:30

O governo do Sudão assinou acordos para assegurar a liberdade de culto, mas o impacto na vida dos cristãos ainda é pequeno

O governo do Sudão assinou acordos para assegurar a liberdade de culto, mas o impacto na vida dos cristãos ainda é pequeno


O governo do Sudão assinou um acordo prometendo liberdade religiosa e separação de religião e Estado, como parte de um acordo de paz com um grupo rebelde em Nuba, no Sudão. O acordo assinado com o grupo rebelde afirma que "nenhuma religião será imposta a ninguém e o Estado não adotará nenhuma religião oficial", segundo o portal de notícias americano Reuters

O governo interino do Sudão, colocado em prática após a destituição do ex-presidente Omar al-Bashir em abril de 2019, tentou acabar com conflitos domésticos envolvendo uma variedade de grupos rebeldes. Em setembro, o governo assinou um acordo de paz com alguns dos grupos rebeldes e concordou em abandonar a provisão constitucional para uma religião de Estado, que é o islã. O grupo Movimento de Libertação Popular do Sudão-Norte (SPLM-N, da sigla em inglês), que atua na região de Nuba, onde a maioria é cristã, queria que o Sudão passasse a ser um Estado secular e democrático. 

Liberdade religiosa só na Constituição

O governo de transição demonstrou a intenção de abordar as violações da liberdade religiosa do regime anterior e levar a democracia ao nível local. Esses objetivos são louváveis, mas "ainda há muito trabalho a ser feito no Sudão para garantir que a liberdade religiosa não seja apenas garantida pela Constituição, mas respeitada na prática pelos governos locais e cidadãos", disse um parceiro da Portas Abertas na África Subsaariana. 

"A igreja continua enfrentando desafios", disse ele. Em fevereiro, um jovem líder  cristão foi preso e interrogado por oficiais de segurança que o advertiram para não começar uma nova igreja, dizendo que o cristianismo é mau. Osama Saeed Musa Kodi também estava apoiando ativamente as tentativas de reconstruir uma igreja em Tamboul, estado de Gezira, que foi destruída em um ataque incendiário em janeiro.

O arcebispo Michael Didi de Cartum disse ao site de notícias La-Croix que o registro de igrejas ainda é problemático e que os cristãos continuam a enfrentar a discriminação na educação. "As minorias participaram da revolução, saudaram o novo governo com entusiasmo e ouviram o ministro de Assuntos Religiosos fazer bons discursos. Mas nada mudou para fortalecer seus direitos", disse Elshareef Ali Mohammed, advogado da ONG Iniciativa Sudanesa de Direitos Humanos, ao La-Croix.

O advogado ajudou a libertar a cristã sudanesa Mariam Ibrahim em 2014 depois de ter sido condenada à morte. Embora a pena de morte por apostia tenha sido abolida em julho, "a lei penal permanece baseada na sharia, o que coloca os cristãos em desvantagem no tribunal", disse Mohammed.

Pedidos de oração

  • Apresente em oração os seguidores de Jesus no Sudão, para que Deus traga paz e esperança de dias melhores.
  • Interceda pelos governantes do país, para que Jesus derrame o seu amor sobre as vidas deles e tenham sabedoria para governar o país.
  • Clame por aqueles que ainda não conhecem a palavra do Senhor, para que sejam transformados pelo amor.

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE