Radicais muçulmanos tentam invadir o Azerbaijão

| 07/04/2016 - 00:00


7-azerbaijao

A rádio Free Europe informou no mês de março que um grupo com cerca de 10 pessoas atravessou ilegalmente a fronteira azeri-iraniana e que os policiais do Azerbaijão dispararam suas armas em advertência, mas em vez de parar, o grupo ignorou e respondeu ao tiroteio. O tiroteio resultou na morte de alguns cidadãos de Bangladesh e outras duas pessoas foram presas. ""Tudo indica que o grupo era composto por radicais muçulmanos e, mesmo com a política de segurança do país, que tem um sistema muito ditatorial, não tem sido possível conter a ação deles"", comenta um dos analistas de perseguição.

O Azerbaijão, 34º país da Classificação da Perseguição Religiosa deste ano, tem um regime restritivo e a vigilância é geral, inclusive com as igrejas. ""O país é constantemente vigiado e as atividades cristãs são proibidas. Os fieis não podem confiar em ninguém. As ameaças vindas de fora também são perigosas para as igrejas. Ser cristão é ser vulnerável por aqui, já que o cristianismo é considerado arqui-inimigo do país"", explica o analista.

A influência do islã tradicional cresce em várias regiões do Azerbaijão e a perseguição aos cristãos não é só religiosa, mas também nacionalista e étnica. Os cristãos azeris são considerados traidores. De acordo com os relatórios da Portas Abertas, a tendência é que aumente ainda mais a perseguição e a violência contra os seguidores do cristianismo. Mas a igreja cresce em meio à vigilância, ataques, prisões, fechamento de templos e leis injustas. ""Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos céus"".
(
Mateus 5.10).

Leia também
Aumenta a vigilância sobre os cristãos
Alerta de oração vindo do Azerbaijão para a Igreja
Missionários não são bem-vindos no Azerbaijão


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE