Salafista egípcio em busca de um lugar no paraíso

Como um muçulmano radical, Abdul tentava convencer cristãos sobre sua fé, mas ela não lhe dava certeza da salvação

| 28/02/2019 - 00:00

Abdul era um muçulmano ultraconservador, mas não tinha certeza de seu lugar no paraíso (foto representativa)

Abdul era um muçulmano ultraconservador, mas não tinha certeza de seu lugar no paraíso (foto representativa)


Quando o egípcio Abdul andava nas ruas, os cristãos deviam olhar para ele com medo. Com barba longa e túnica até os tornozelos, ele era um salafista, ou seja, um seguidor de uma versão ultraconservadora do islamismo. Como salafista, ele odiava os cristãos e sua religião. Onde quer que fosse e onde quer que visse um cristão, Abdul tentava ganhá-lo para o islã ao resumir tudo o que havia de errado sobre o cristianismo.

Abdul era o tipo de pessoa que você menos espera que se converta a Jesus. No entanto, foi isso que aconteceu, pois Deus escolhe quem ele quer. Foi durante um encontro com uma senhora cristã que queria se converter ao islamismo que Deus o tocou pela primeira vez. Ele perguntou para ela porque ela queria se converter ao islã e ela respondeu: “Para ter certeza do meu lugar no paraíso”.

Apesar de ter concordado, algo começou a incomodá-lo no seu coração, pois ele mesmo não tinha certeza sobre ter um lugar no paraíso. Quando chegou em casa, leu o Alcorão desesperado por encontrar uma frase, uma palavra, um sinal do seu deus de que ele seria salvo. Abdul ficou a noite toda acordado, procurando, e sua inquietação só foi aumentando. Por fim, não encontrou nada sobre uma garantia de vida eterna, nem mesmo para bons muçulmanos como ele.

Dois dias depois, em uma loja, Abdul viu um homem com uma tatuagem de cruz no pulso. Como sempre, ele convocou esse cristão a se tornar muçulmano, dando um passo para a verdadeira fé. Mas o cristão não se deixou convencer pelo discurso de Abdul; ao contrário, ele disse: “Leia a Bíblia. Eu não preciso buscar Deus em nenhum outro lugar, ele me garante vida eterna com ele”. (Essa história continua).

Pedidos de oração

  • Neste dia em que se comemora 97 anos da Independência do Egito, ore para que os muçulmanos sejam levados a questionar o que se acostumaram a aceitar como verdade. Que assim encontrem a verdadeira liberdade em Jesus.
  • Através de parceiros locais, a Portas Abertas está em contato com cristãos secretos em todo o Oriente Médio para ajudá-los a crescer na fé e ficarem firmes nas mais difíceis circunstâncias. Ore para que esse relacionamento seja cada vez mais abençoador.
  • Clame para que mais muçulmanos conheçam a Cristo no Egito, país que ocupa a 16ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2019.

Viaje com a Portas Abertas
Você pode ter um contato pessoal com cristãos perseguidos do Egito na próxima viagem de campo da Portas Abertas ao país, que será entre 8 e 17 de julho de 2019. Não perca essa oportunidade de ir até eles, abraçá-los, ouvir seus testemunhos e orar com eles. Conheça pessoalmente os desafios e vitórias da Igreja Perseguida do Egito.

Leia também
“É a primeira vez que nos sentimos como humanas”
De perseguidor a cristão secreto
Cristãos estão sitiados em Alarixe, no Egito


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE