Sete formas como a perseguição afeta crianças e jovens cristãos

Entenda como a nova geração tem seus direitos violados pelo simples fato de seguir a Jesus ou pertencer a uma comunidade cristã

| 09/12/2021 - 08:00

Meninas cristãs leem a Bíblia no Laos

Meninas cristãs leem a Bíblia no Laos


No mundo todo, a perseguição e a discriminação religiosa a crianças e jovens acontece quando os perseguidores controlam as opções relacionadas ao futuro, a curto e longo prazo, e situações que influenciam diretamente na identidade dos cristãos ao chegarem à vida adulta. Um exemplo disso é quando a educação é impedida. Nesse caso, o caminho para o futuro é restrito ou desviado, seja ele relacionado a trabalho, família, religião ou crença. 

Abaixo você encontrará sete formas como a perseguição afeta crianças e jovens cristãos.

  1. Crianças e jovens são alvo para impedir que a próxima geração seja parte da igreja

Menino egípcio observa a cidade


Comunidades cristãs correm o risco de serem privadas da atual geração jovem, bem como de futuros fundadores de famílias ou líderes da fé cristã. Crianças e jovens são alvos por seu potencial para despertar e perpetuar a igreja. É muito inquietante pensar em crianças da igreja sendo atacadas e mortas. Infelizmente, essa é a realidade em muitos países onde cristãos são perseguidos, com os responsáveis pela pereguição os tirando de suas famílias e os mantendo entre grupos violentos.

Geralmente, isso é motivado por integrantes de religiões ou ideologias majoritárias visando pressionar a conversão ou usar a violência como resposta à rejeição da religião da maioria. Ainda assim, algumas vezes há gatilhos específicos para violência, como em partes da Síria e do Egito, onde testemunhas relatam que percebem imoralidade na forma em que meninas cristãs se vestem e isso resulta em abuso físico. Mais comumente, o gatilho é a recusa em renunciar à fé ou participar das atividades de grupos violentos.

  1. Em ao menos 28 países, filhos de líderes de igrejas e convertidos são alvo de violência

Menino e menina no Afeganistão

De acordo com um relatório recente da ONU, metade de todas as crianças do mundo, mais de um bilhão, experimentam violência todo ano: seja online, offline, na comunidade, na escola ou em casa. Quase um terço dos países registra que crianças e jovens mortos por causa da fé pertenciam a famílias ou comunidades cristãs.

A zombaria e a marginalização sistêmicas de crianças e jovens cristãos por meio da violência verbal está danificando a identidade deles. Eles podem ser pressionados a participar da religião da maioria ou priorizarem a lealdade ao Estado.

  1. A perseguição a crianças e jovens cristãos visa moldar a identidade religiosa, psicológica e emocional deles

Meninos cristãos ex-muçulmanos em Bangladesh

Em determinado ponto da vida, em que a identidade é maleável pois ainda está em processo de formação, a perseguição a crianças e jovens limita e distorce as escolhas disponíveis a eles. Corações e mentes jovens são treinados a se restringir com relação a oportunidades e direitos que buscam; além de serem obrigados a internalizar a religião dominante e a identidade ideológica.

Isso pode resultar em crianças e jovens que se restringem, evitando explorar os caminhos da fé por causa das consequências que enfrentarão se o fizerem. Em ambientes de perseguição extrema, no que diz respeito à educação, igrejas e materiais cristãos podem significar que viver como cristão seja incrivelmente doloroso para os jovens.

  1. Os três principais pontos de pressão trabalham em conjunto

Aula com crianças sírias

Os três principais pontos de pressão são: discriminação e assédio por meio da educação, falta de acesso a materiais, ensinamentos e rituais cristãos e separação de pais e filhos cristãos. Juntos, esses três pontos impedem que a próxima geração aprenda sobre a fé cristã em um momento de formação das vidas das crianças. Esses pontos de pressão são possíveis devidos às estruturas que estão profundamente enraizadas na sociedade e nas instituições estatais.

Discriminação e preconceito por meio da educação são ferramentas poderosas da perseguição. Globalmente, em 49 dos 50 países da Lista Mundial da Perseguição 2021, o que representa 98%, crianças e jovens cristãos enfrentam discriminação e assédio em fatores educacionais.

  1. Crianças e jovens são tratados como mercadorias

Filha mais velha de uma mãe cristã que é viúva e pobre no Sul da Etiópia


Jovens cristãos são tratados como produtos que podem ser adquiridos ou forçados a servir a outro grupo de crença, em vez de serem considerados como indivíduos que são membros integrais da comunidade e que possuem valor inerente e direitos humanos individuais.

Exércitos, milícias e grupos criminosos exploram crianças e jovens cristãos em zonas de conflito como mercadorias. Eles são transformados em crianças soldado ou comprados e vendidos como produtos traficados para trabalho, serviços sexuais ou lucro. Isso é mais comum em áreas afetadas por conflitos, onde as pessoas buscam estratégias para enfrentar os altos níveis de violência e onde a demanda por seviços e mercadorias específicas aumenta. Nos piores casos, militantes podem sequestrar crianças e jovens para serem usados em atentados suicidas. Cristãos podem ser alvo já que são identificados como tendo menos valor ou mesmo para punir igrejas e famílias cristãs.

  1. Em geral, tanto ações ilegítimas quanto a legislação são utilizadas em vários graus e contextos como forma de discriminação ou perseguição religiosa

 
Uma sala de aula no Sudão


Crianças e jovens cristãos são principalmente vulneráveis em áreas afetadas por conflitos. Na África Subsaariana, violência extrajudicial é uma ferramenta comum para opressão, enquanto no Oriente Médio e Norte da África, a legislação estatal é usada mais frequentemente para negar acesso a identidade legal como cristão ou a educação religiosa cristã.

Conflitos remodelam constantemente a vida diária das comunidades e das famílias em áreas onde guerras tomam conta. Em países afetados por conflitos, crianças e jovens cristãos são os que mais correm risco de serem mortos, traficados, deslocados e recrutados de forma forçada em milícias ou exércitos governamentais. Os níveis elevados de violência resultam em jovens estando mais suscetíveis a perderem a vida por causa da fé.

  1. A perseguição a crianças e jovens cristãos está intimamente ligada à perseguição de gênero

 
Adolescentes no Norte da Índia

 
Assim que meninos e meninas caminham para a adolescência, a perseguição religiosa que experimentam é muito determinada pelo gênero. Meninos em alguns países da África e da América Latina comumente enfrentam a ameaça ou o recrutamento forçado de milícias, enquanto, geralmente, meninas experimentam altas taxas de violência sexual ou casamento infantil forçado.

Além das experiências individuais, pode haver um objetivo mais coletivo e estratégico: desestabilizar comunidades e famílias cristãs e impedir o crescimento da população cristã não permitindo que as crianças cresçam e assuma papéis de valor cultural perceptível, como mães, pais, funcionários ou líderes de igrejas.


Crianças da Ásia Central

Muitos ainda não ouviram falar de Jesus na Ásia Central. Então, por meio de eventos de Natal e Ano Novo, são realizadas apresentações com o objetivo de transmitir a mensagem do evangelho. Neles, as crianças recebem presentes e as famílias mais pobres, cestas básicas. Sua doação faz com que crianças recebam presentes de Natal e ouçam o evangelho pela primeira vez.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE