Soldados morrem com sintomas de coronavírus na Coreia do Norte

País ainda não registrou, oficialmente, casos de pessoas infectadas pela Covid-19

A cada minuto, as nações ao redor do mundo contabilizam o número de pessoas infectadas pela Covid-19. Porém, a Coreia do Norte ainda não registrou casos de pessoas afetadas, mesmo que quase 200 soldados tenham morrido após apresentarem os sintomas de infecção pelo coronavírus. Além de não ter acesso a remédios como analgésicos e antitérmicos, a população enfrenta a escassez de alimento e falta de assistência médica. "Os hospitais mal estão funcionando, há poucos médicos e há uma enorme escassez de medicamentos. As pessoas doentes compram remédios não rotulados de pessoas que não têm formação médica”, compartilha um colaborador da Portas Abertas na região.

De acordo com ele, a maioria dos norte-coreanos passou por períodos de grave desnutrição e isso influencia no sistema imunológico. “Uma epidemia de vírus seria desastrosa para eles. Mesmo em países altamente desenvolvidos, o sistema de saúde está sob enorme pressão. A Coreia do Norte não tem meios para ajudar seus cidadãos se houver um surto grave", explica.

Um cristão norte-coreano contou que a população enfrenta grave secas na primavera. “O país tem que lidar com as sanções internacionais. Quando a colheita está ruim, os cidadãos precisam fornecer alimento para os militares primeiro. Não há rações suficientes para o inverno e para a primavera”, afirma.

A Portas Abertas contribui para a alimentação dos cristãos norte-coreanos, tanto física como espiritualmente. Os irmãos e irmãs ao redor do mundo são convidados a saciar a fome de milhares de homens, mulheres e crianças refugiadas em países vizinhos como a China. "É possível que o coronavírus já tenha chegado à Coreia do Norte e esteja criando vítimas lá. Por favor, ore e contribua, se puder. Vidas estão em risco”, conclui o colaborador.

Pedidos de oração