Sudão: governo pretende abolir a pena de morte por deixar o islã

A blasfêmia contra a religião muçulmana também é vista como crime no país

| 19/04/2020 - 06:00

Líderes cristãos comemoram novas decisões do governo de devolver o direito de liberdade religiosa à população

Líderes cristãos comemoram novas decisões do governo de devolver o direito de liberdade religiosa à população


Governo do Sudão prevê a remoção da pena de morte aos cidadãos que deixarem o islã, e decide abolir os comitês que gerenciavam os assuntos das igrejas cristãs no país. O membro do Conselho de Coordenação das Forças de Liberdade e Mudança (FFC), Mohamed Hassan Arabi, disse a um jornal local que as medidas estão propostas no Projeto de Emendas Variadas de 2020 e que o Departamento Legislativo do Ministério da Justiça está elaborando a lei.

O líder enfatizou que as leis do governo de Omar al-Bashir não representam os valores do islamismo de respeitar a soberania religiosa de todos. "O castigo da apostasia coloca em risco a liberdade de opinião e crença e mina a paz e a estabilidade social", disse. O sistema legal do Sudão é guiado pela sharia, conjunto de leis islâmicas, que garante no artigo 126 do Código Penal de 1991 a punição com morte a quem deixar o islamismo. No país que ocupa a 7ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2020, a blasfêmia contra o islã também é vista como crime e resulta em até seis meses de prisão, açoitamento e multa.

Tempo de boas notícias

A Portas Abertas veiculou a criação dos comitês das igrejas para controlar as propriedades e supervisionar os assuntos relacionados a elas. Mas com o fim desses órgãos, comunicado pelo ministro de Assuntos Religiosos, Nasr al-Din Mufreh, os líderes cristãos locais ficaram satisfeitos, mas acreditam que mais coisas precisam ser feitas. “Pedimos ao ministro de Assuntos Religiosos que garanta que todas as partes relevantes sigam a ordem sem demora, e que as propriedades confiscadas sob esses comitês sejam devolvidas às igrejas", completa o porta-voz da Portas Abertas na África, Jo Newhouse.

Outra questão importante é incluir o registro de igrejas em uma emenda do artigo 55 da Constituição sudanesa, que tem sujeitado os cultos e atividades das igrejas cristãs à ordem pública. O problema é que algumas autoridades usam a lei para legitimar o abuso que fazem contra as comunidades cristãs. “Em vez disso, o governo deve restringir sua jurisdição sobre os assuntos da igreja a questões de segurança pública e proteção dos direitos fundamentais”, completa Newhouse.

Pedidos de oração

  • Agradeça ao Senhor por essa decisão que dará mais liberdade às igrejas cristãs no país e aos cristãos ex-muçulmanos.
  • Interceda para que as novas leis sejam obedecidas pela sociedade e que realmente aumente a tolerância religiosa no país.
  • Clame para que as autoridades do Sudão mantenham a decisão e tenham sabedoria e força para colocar as novas ações em prática.

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE