Soon Ok Lee conta os horrores dos campos de prisão norte-coreanos

| 16/02/2005 - 00:00


A norte-coreana Soon Ok Lee compartilha conosco um pouco de sua história nos campos de trabalho forçado e como encontrou a Deus ali.


Por favor, compartilhe como você foi educada na Coréia do Norte.
Fui educada em Chung-Jin, na província setentrional denominada Ham-Kyung, na Coréia do Norte. Entretanto, nasci na Alemanha e mudei-me para a Coréia do Norte com o meu pai que era um oficial do exército da União Soviética. Estudei da quinta-série até o ensino médio em Chung-Jin e fui cursar a faculdade em Pyung-Yang. Depois de terminar a graduação na Universidade de Economia Especializada, trabalhei no Banco Central por alguns meses. Então, aos 23 anos, filiei-me ao Partido Trabalhista Kim Il-Sung e fui aceita na Universidade de Economia do Povo de Pyung-Yang, uma das melhores instituições para formação de líderes nacionais. Tornei-me a gerente de distribuição de materiais no Partido Trabalhista Kim Il-Sung, onde eu trabalhei durante os próximos 17 anos. Eu era a única filha, vinda de uma família de prestígio político e, por isso, lealdade ao governo era um dever para mim. Contudo, acredito que minha mãe era uma cristã comprometida. Lembro-me que ela cantava hinos para mim como canção de ninar. Ela também me dizia que não deveríamos adorar homens como deuses, mas precisávamos acreditar no Deus verdadeiro. Apesar de tudo isto, eu vivia em um sistema de adoração a um homem, sob a ditadura absoluta de Kim e eu era mais fiel do que qualquer outra pessoa.

Você contou que trabalhava para o governo norte-coreano. Explique sobre o cargo que ocupava e das responsabilidades que tinha.
Eu era a gerente de distribuição de materiais. Resumidamente, essa era uma posição que até mesmo um homem sonharia ter em uma sociedade dominada por homens. A explicação é porque todo o país está baseado no sistema de distribuição. Tudo é distribuído pelo governo. Minha posição era considerada extremamente significante para Kim Il Sung porque eu estava, essencialmente, encarregada de distribuir materiais para toda a nação de 23 milhões de pessoas. Por 17 anos, recebi a máxima confiança de Kim Il Sung, que em troca, mantinha-me fiel a ele. Porém, como a economia começou a entrar em colapso na década de 1980, tornou-se cada vez mais difícil a distribuição de mercadorias e recursos para muitas partes do país. A escassez de comida tornou-se um grande problema por toda a nação e, finalmente, toda a culpa foi passada para mim. Apesar de ser responsabilidade de Kim Jung Il que o país estivesse morrendo por falta de alimento, ele falou às pessoas que elas estavam passando fome porque eu tinha administrado mal os recursos e não fui capaz de distribuí-los igualmente por todo o país. Neste primeiro ciclo de eliminação de oficiais, infelizmente, fui selecionada e lançada no campo de prisão política por sete anos.

 

Você disse que estava em um campo de prisão política. Você pode explicar sobre o tipo de lugar, o número de pessoas, as condições do campo e falar sobre a sua experiência mais dolorosa naquele local? Você ainda tem essas marcas de sofrimento, mesmo depois de sete anos?
O campo de prisão que eu fui enviada está situado em Kae-Chon, ao sul da província de Pyung-Yang. Há mais de seis mil presos neste local: mais de quatro mil são homens e mais de duas mil são mulheres. A maioria dos presos está lá por razões políticas. Alguns foram capturados enquanto viajavam para lugares que não tinham permissão em busca de comida. Algumas eram mães queixando-se que seus filhos estavam morrendo de fome. elas perguntavam-se "por que tenho que morrer desta maneira? Por que eu não posso comer até ficar satisfeita como as pessoas em outros países?". Pessoas que tinham este tipo de pensamento eram consideradas como de má ideologia. Se a mãe estivesse grávida, segundo a lei norte-coreana que diz que a semente de um criminoso deve ser queimada até sua terceira geração, eles abortavam o bebê. Se, de algum modo, o bebê sobrevivesse e nascesse, eles estrangulavam o bebê, esmagando com os pés na frente de sua própria mãe. Eu também testemunhei muitos experimentos feitos com humanos. Eles diziam que era inútil testar armas e produtos químicos em animais porque este tipo de armamento foi criado para atingir os inimigos, outros seres humanos. Eu também vi muitos cristãos no campo. Por causa de sua fé em Deus e porque cantavam hinos nos campos, eram pisoteados até morrer. Se não negassem a Deus, eram queimados com um metal líquido fervente até a morte. Vi muitas coisas indescritíveis que não eram vislumbres raros para mim. Por ter passado por muitas torturas físicas, eu ainda tenho muitas marcas deixadas no meu corpo. O lado direito do meu rosto ainda está um pouco torcido, a parte esquerda da minha boca está torta e os dentes de todo o lado esquerdo da minha boca estão quebrados. Diariamente convivo com muitas dores físicas no meu corpo e é difícil suportá-las. Porém, lembro-me que, neste exato momento, muitas pessoas estão passando por torturas e experimentos humanos. Mas eu quero continuar a contar ao mundo sobre os cristãos e os problemas de direitos humanos existentes na Coréia do Norte.


Depois de você ser desertada para a Coréia do Sul, de que maneira você experimentou a Deus?
Desde o momento em que saí da minha casa na Coréia do Norte, eu posso ver claramente como Deus esteve comigo, conduzindo cada passo que eu dava. Na noite que eu parti, estava frio e nublado e o chão estava coberto de neve. O ar denso dificultou que os guardas enxergassem. Quando eu atravessei a fronteira para a China, avistei, por acaso, um condomínio que pertencia a uma pessoa com quem eu trabalhei. Deus também me fez lembrar de um número de telefone que eu sabia há dez anos! Então, eu entrei em contato com o homem que era o chefe de uma determinada agência na China. Ele me ajudou a sair do país. Eu posso ver o Deus que me guiou durante os momentos mais difíceis de minha vida.

Qual é o seu versículo ou história bíblica preferida?
Os meus versículos preferidos são Provérbios 3:26 "Porque o Senhor será a tua segurança e guardará os teus pés de serem presos" e Romanos 9:3 "Porque eu mesmo desejaria ser anátema, separado de Cristo, por amor de meus irmãos, meus compatriotas." Você sabe como o Apóstolo Paulo ministrou para o seu próprio povo? Assim como o Apóstolo Paulo quero servir meu próprio povo com o mesmo entusiasmo.

 


Como podemos ajudar os refugiados norte-coreanos que vivem na China?
Primeiramente, precisamos evitar que eles sejam enviados para a Coréia do Norte. Eles precisam de abrigo que garantirá a sua segurança quando cruzarem a fronteira. O congresso americano está tentando promover este tipo de facilidade, mas é difícil porque o governo chinês não apóia. Sem a aprovação, é impossível levar este plano adiante. Atualmente, há muitos movimentos para persuadir o governo chinês a aceitar os refugiados como sul-coreanos.

Como vivem os desertores na Coréia do Sul? 
Creio que eles vivam bem. Há alguns que causam problemas porque não sabem como lidar com o conceito de liberdade.Contudo, a maioria deles está trabalhando arduamente e progredind. O governo sul-coreano também lhes fornece uma pequena ajuda financeira, que é útil. Uma área que necessita melhorar é a de empregos. Acho que o governo deve intervir de alguma forma para facilitar a obtenção de emprego. Há alguns desertores que estão empregados e ganhando sua própria vida, mas as pessoas mais idosas e especialmente as mulheres, estão passando por um momento muito difícil para poderem se manter financeiramente.

Então, se você não estivesse fazendo o que você está fazendo agora, você também estaria recebendo auxílio do governo sul-coreano?
Sim, exatamente. Eu estou em uma viagem solitária. Eu tenho que fazer isto sozinha porque não há muitas pessoas para participar comigo neste esforço de expor as atrocidades da Coréia do Norte. Contudo, pelas pessoas em agonia e pelos cristãos perseguidos na Coréia do Norte, estou arriscando minha vida. Embora seja um trabalho solitário e difícil, acredito que fui chamada para fazer isso e esta seja a missão que recebi nesta vida.

 

Como você vê o futuro da Coréia do Norte?
Eu acredito que Hussein foi um ditador tão perverso quanto Kim Jung Il é agora. Depois de ver seu regime cair em um curto período de tempo, estou convencida que seja possível ver a queda da Coréia do Norte em menos de um ano. Se obstruirmos todo o apoio, Kim Jung Il não poderá suportar por mais de um ano. Todos morrerão de fome, até mesmo os soldados. Como ele poderá resistir a isto? Algumas pessoas na Coréia do Sul dizem que se a Coréia do Norte entrar em desespero, eles iniciarão uma guerra nuclear suicida. Eu não acredito. Sem nenhum apoio financeiro, Kim não poderá iniciar uma guerra e seu regime cairá. 

 

Alguns fatos sobre o governo norte-coreano:
1. Cerca de dois milhões de pessoas morreram de fome na década passada.
2. Um número estimado de duzentas mil pessoas está em campos de concentração políticos.
3. Cidadãos norte-coreanos são propriedades do governo. Isto significa que o governo tem reinado independente sobre a vida de cada cidadão. Um slogan usado pelo governo é, "se o partido decidir, eu realizarei".
4. Um dos alvos centrais do governo é a reunificação das duas Coréias sob governo comunista.
5. A Coréia do Norte não é uma nação ateísta. A religião do estado é denominada Juche (Joo-Chae). Seus seguidores acreditam que Kim Il Sung e Kim Jong Il sejam divinos, imortais e dignos de toda oração, honra, poder e glória. Qualquer outra religião é severamente proibida e a pessoa que segui-la deve ser morta.
6. Conforme a revista Newsweek International, a Coréia do Norte é, atualmente, o país que mais viola os direitos humanos no mundo.
7. Apesar de tudo sos cidadãos passam por uma lavagem cerebral até pensar que a Coréia do Norte é o paraíso na terra e as outras nações são terríveis lugares para viver.

A situação angustiante da Coréia do Norte não é fruto apenas da falta de comida, dinheiro ou nenhum outro recurso material. Origina-se de um sistema de crenças impostos por um governo egoísta e opressivo que mantém sua própria agenda política a preço do bem-estar de seu próprio povo. Entretanto, o problema não é político - é um problema que cria raízes no reino espiritual.
Certamente, um pequeno grupo de ativistas não pode paralisar a Coréia do Norte simplesmente enviando dinheiro - deve haver um compromisso de oração. Oração contra os "poderes do mundo tenebroso e contra as forces espirituais do mau nas regiões celestiais".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE