Terremoto atinge região hostil aos cristãos no México

O território já enfrenta tanto a pobreza como a COVID-19

Além de enfrentarem a crise resultante da pandemia da COVID-19, os moradores da região sul do México também convivem com as dificuldades causadas por um terremoto de 7,4 pontos na escala Richter que atingiu a área no fim de junho. O epicentro do abalo foi a cidade de Cruceita, situada no estado de Oaxaca.

Um dos municípios mais atingidos foi San Juan Ozolotepec, a 176 quilômetros do ponto central do acontecimento. Muitas famílias que vivem no local perderam os lares e agora estão deslocadas em busca de segurança. A situação foi agravada porque já existe um alto índice de pobreza e marginalização na região. Segundo líderes locais, a população de origem indígena não é assistida pelo governo.

Além da vulnerabilidade social, a intolerância religiosa também é forte na região. Alguns líderes cristãos classificam San Juan Ozolotepec como um dos lugares mais hostis para os cristãos exercerem a fé. Desde 2016, a Portas Abertas prepara cristãos locais para se manterem firmes apesar da perseguição.

Um dos treinadores é o pastor Leopoldo Alonso da Silva. Ele já esteve no Brasil em 2017 para testemunhar os desafios que viveu em 2013. O líder cristão enfrentou na pele a perseguição, quando foi expulso de San Juan Ozolotepec por pregar o evangelho.

Hoje, ele vive em Viguera, mas tem na memória as tristes lembranças da destruição da igreja que pastoreava, das agressões que sofreu de uma multidão furiosa, da prisão e exclusão da cidade. Porém, ele também sente compaixão ao ver a destruição em torno do território.

Pedidos de oração