Um dia triste para os cristãos em Jacarta

| 20/04/2017 - 00:00


20-indonesia-mulher-preocupada

O ex-governador de Jacarta, conhecido como “Ahok” e seus partidários lamentaram a perda nas eleições do segundo turno de ontem. E, hoje, seu julgamento de blasfêmia já teve sequência com o promotor do caso exigindo uma sentença de um ano de prisão e dois de liberdade condicional. O que surpreendeu os advogados de defesa de Ahok é que o promotor não usou a acusação original de acordo com o Código Penal 156, por blasfêmia, em vez disso, agora ele é acusado por “expressar sentimentos hostis ou ódio contra um grupo específico”.

No caso dele, o grupo referido seria composto por seus adversários políticos. Mas Ahok se mostrou tranquilo em relação aos últimos acontecimentos. “Deus é quem dá autoridade a alguém e somente ele pode retirá-la. Ninguém governa sem a permissão de Deus. Em 2007, perdi as eleições para governador, mas venci em 2014. Então não fiquem tristes, Deus sabe o que é melhor”, disse ele aos seus apoiadores através de uma coletiva de imprensa.

Para muitos, essas eleições foram um teste de tolerância religiosa na Indonésia, o país muçulmano mais populoso do mundo, onde os conservadores se agitaram e os partidários islâmicos foram inspirados a protestar usando de rigor religioso. O país atualmente ocupa o 46º lugar na Lista Mundial da Perseguição, onde a igreja tem se preocupado com o destino da ideologia islâmica e com a perseguição aos cristãos em nível nacional. Ore pela igreja na Indonésia.

Leia também
Minorias religiosas são sufocadas
O discurso de um governador cristão


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE