Projeto da SBB incentiva o contato do povo com a Bíblia

Relembrando a ação dos copistas, que preservaram por meio de cópias manuscritas o texto das Sagradas Escrituras antes da invenção da imprensa, a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), na comemoração dos seus 60 anos de existência, instalou “scriptoriums” (locais de trabalho dos copistas) em 21 cidades e capitais brasileiras.

O Projeto Bíblia Manuscrita, que tem por meta colocar o Livro Sagrado em evidência na agenda cultural da sociedade brasileira em 2008, quer mobilizar 900 mil pessoas na transcrição do texto sagrado, totalizando uma Bíblia por Estado da Federação mais o Distrito Federal (num total de 29 livros), e outros dois exemplares copiados pela população das cinco regiões do país, no período de junho a setembro.

O “scriptorium” ocupa uma área reservada, onde voluntários ajudam os “copistas” a transcreverem o conteúdo da Bíblia. Cada “copista” pode transcrever, no máximo, dois versículos, para permitir a contribuição do maior número de pessoas. A sugestão é que cada copista doe um real por versículo copiado.

Deficientes visuais

Os recursos arrecadados serão canalizados para o programa “Inclusão do Deficiente Visual”, mantido pela SBB, e que beneficia 2,5 mil pessoas, além de instituições especializadas no atendimento às pessoas portadoras de deficiência visual. O dinheiro será empregado na confecção de Bíblias em braile e em áudio, com o intuito de atender um número ainda maior de deficientes visuais.

O projeto da Bíblia Manuscrita integra as comemorações dos 60 anos da SBB, lembrados com o lema “A Bíblia: um livro para todos”. Já há “scriptoriums” instalados em Brasília, Recife, Curitiba, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Vitória, Belo Horizonte, Cuiabá, Belém do Pará e São Paulo, além de cidades do interior em quatro Estados.