Na Praça Tahrir, a alegria que vem do céu é maior do que a revolta pop