5 motivos para orar pelo Quênia

Os cristãos quenianos enfrentam constantes ataques de extremistas e descaso dos governantes

No dia 12 de dezembro foi comemorado o Dia da Independência do Quênia, que acontenceu em 1963. As veias comerciárias do país fizeram com que, por séculos, tribos da costa do país trocassem mercadorias com árabes. Os portugueses também passaram pelo país no século 16. No 19, as relações comerciais com a Europa se intensificaram e, em 1980, os britânicos tomaram o país e estabeleceram-no como colônia em 1920.

A doação de terras quenianas para colonos da Grã-Bretanha e África do Sul revoltou a população. Após muitas rebeliões, o país tornou-se independente. A igreja cristã esteve presente no país desde a chegada dos portugueses, mas foi expulsa da costa do país e só pôde voltar em 1844, quando a Igreja Anglicana enviou o missionário Johann Ludwig Krapf. Após esse marco, novas denominações foram se estabelecendo no país.

Hoje, o país ocupa o 44º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2020, como consequência do aumento da perseguição que os cristãos estão enfrentando do grupo radical islâmico Al-Shabaab. Outro fator, que dificulta a expressão livre da fé, é a corrupção dos governantes. Confira 5 motivos para orar pelo Quênia.

  1. Ore pelos governantes do país, para que tenham sabedoria, compromisso com Deus, com a população e de liderar pensando no bem comum e na justiça social.
  2. Interceda pelos cristãos ex-muçulmanos que enfrentam forte oposição. Os que vivem nas regiões costeiras estão sob constantes ameaças dos extremistas.
  3. Peça que o Senhor intervenha no governo, principalmente nas questões de corrupção e crime organizado. Esses fatores influenciam o governo a não tomar medidas contra os que perseguem os cristãos, estimulando mais a violência contra nossos irmãos e irmãs.
  4. Clame pelos cristãos das regiões norte e costeira. A perseguição que enfrentam tem consequências sociais, como a proibição do acesso a recursos comunitários. Ore para que Deus dê forças e encoraje cada um deles a serem discípulos de Cristo apesar das circunstâncias.
  5. Os parceiros da Portas Abertas na região precisam de proteção de Deus e muita sabedoria para continuar a discipular cristãos ex-muçulmanos, aconselhar pessoas traumatizadas e dar suporte psicossocial. Interceda por todos eles.