Amando o próximo por meio da fé

| 06/01/2017 - 00:00


06-israel-meninos-judeus-caminhando

Hisham* é um menino árabe e Miriam* uma judia, ambos têm 16 anos de idade e cresceram juntos em Israel, num clima onde prevalecia a suspeita, a desconfiança e, muitas vezes, o próprio ódio. Hoje em dia, os dois são grandes amigos e participam de uma organização chamada Musalaha, que trabalha em prol da paz entre israelenses e palestinos, com base nos princípios de justiça e amor ensinados por Jesus. O próprio nome “Musalaha”, que vem de uma palavra árabe, quer dizer “reconciliação”.

Estabelecida em 1990, a organização funciona nos campos onde judeus e árabes adolescentes podem se encontrar em harmonia para aprender um pouco mais uns sobre os outros. Todos se declaram seguidores de Cristo. A fé de cada um deles é colocada à prova quando estão fora de Musalaha. “Onde eu moro, a vizinhança toda é de extrema direita e todos eles odeiam árabes. Aqui é o único lugar onde posso encontrá-los e ser amiga deles”, disse Miriam que vive num bairro judeu de Jerusalém.

Hisham mora em Nazaré, numa comunidade árabe, onde é praticamente impossível encontrar-se com judeus. “Fora da comunidade, quando falo inglês e me comporto como um estrangeiro, as pessoas são legais comigo. Mas quando descobrem que sou árabe, mudam de comportamento e já passam a desconfiar de mim”, lamenta o jovem.

Esse clima começou em 1948, quando aconteceu o restabelecimento de Israel e cerca de 700 mil palestinos tiveram que fugir de suas próprias casas, dando lugar aos judeus. Hoje em dia, tudo o que os palestinos querem é retornar ao lar, já os judeus “querem seu lar de volta”. A disputa pelas terras resultou em muitos massacres e péssimas recordações.  Hisham vem de uma família moderada, mas a maioria dos árabes permanecem com sentimento de vingança e alguns são extremamente violentos com os israelenses.

Durante as reuniões em Musalaha, esses jovens discutem a respeito dos preconceitos e tentam superá-los por meio de uma narrativa bíblica que ambos os lados compartilham. Eles cantam músicas em árabe e em hebraico e evitam debates sobre fé e política. Esse é o motivo pelo qual os esforços para obter a paz entre os dois povos funciona. “Nós praticamos a nossa fé nesse lugar e isso faz toda diferença”, diz Miriam. “Quando Jesus é o centro, todas as diferenças perdem a importância. Ele nos ensinou a amar o próximo, não apenas os nossos irmãos, mas também os nossos vizinhos e até mesmo os nossos inimigos”, Hisham finaliza.

*Nomes alterados por motivos de segurança.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2023 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco