Ataque faz mais de 30 mortos na República Centro-Africana

Este é o primeiro ataque em massa desde que um acordo entre governo e milícias foi assinado, em fevereiro de 2019

| 28/05/2019 - 12:00

Clame para que a paz seja restaurada na República Centro-Africana e pelos cristãos em meio a essa situação

Clame para que a paz seja restaurada na República Centro-Africana e pelos cristãos em meio a essa situação


[Atualizado em 30 de maio de 2019 às 11h35]

Segundo informação do governo, 50 pessoas morreram e muitas outras ficaram feridas quando um grupo armado atacou vilarejos na região noroeste da República Centro-Africana na última terça-feira (21). Os ataques ocorreram em vários povoados perto da cidade de Paoua, próximo à fronteira com o Chade. Os ataques foram realizados pelo grupo extremista islâmico 3R (Retorno, Recuperação e Reconciliação), liderado por Sidiki Abass. O grupo alega lutar pelos interesses dos fulanis. O governo anunciou três dias de luto pelo ocorrido.

Aparentemente, o grupo convocou a população para uma reunião e então abriu fogo contra todos. Esses ataques representam a maior perda de vidas de uma só vez desde que um acordo foi assinado entre o governo e 14 milícias, em fevereiro. Sidiki foi nomeado um dos três “conselheiros especiais do exército” do primeiro-ministro, responsável por estabelecer as unidades combinadas no acordo. Agora, o primeiro-ministro está sendo pressionado para prender os atacantes ou ser processado.

Equipes de campo da Portas Abertas informaram que contatos locais indicam que a população foi convocada para uma reunião devido à morte de um jovem fulani, que foi morto por desconhecidos no que parece ter sido um assalto. A igreja local informou que cristãos que tiveram que fugir da região afirmam que o número de mortos é muito maior que 30. Mas quando eles passaram essa informação, não era permitida a entrada de ninguém na área para avaliar a situação.

Outras mortes

Forças de segurança também reportaram a morte de 15 pessoas no vilarejo de Maikoko. Na segunda-feira (20), uma freira franco-espanhola de 77 anos foi decapitada. Ela dava aulas para meninas e mulheres pobres. Os agressores não são conhecidos, mas as autoridades acreditam que Ines Nieves Sancho não tenha sido morta por nenhum grupo rebelde, mas por matadores. O corpo dela foi encontrado no vilarejo de Nola, no extremo sudoeste do país, próximo à fronteira com Camarões e Congo.

Pedidos de oração

  • Ore para que esses incidentes não levem a represálias que atrapalhem o processo de paz.
  • Interceda para que em meio a essas circunstâncias Deus atraia pessoas a si mesmo.
  • Clame por sabedoria, proteção e coragem para a igreja, para que saiba como responder às questões de segurança e interagir com o governo na busca da resolução para anos de conflito.

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE