Como Deus está expandindo o evangelho entre crianças chinesas

Na véspera do Dia das Crianças, entenda como elas vivem na China e como precisam lidar com a perseguição desde cedo

Pode-se afirmar que crianças enfrentam a pior perseguição na China. As últimas regulamentações proíbem crianças e adolescentes menores de 18 anos de entrarem em prédios de igrejas ou participarem de suas atividades, além de banir acampamentos de verão e inverno. O motivo fundamental do Partido Comunista está claro – “limpar” a juventude chinesa de sua fé, ou como o governo gosta de chamar, “superstição”. Essa “limpeza religiosa” deseja eliminar a próxima geração de cristãos e finalmente acabar com o contínuo crescimento da igreja.

Mas, de acordo com o pastor Jacob*, essas restrições aos cristãos chineses não estão destruindo sua fé, mas definitivamente, fazendo-a crescer. Ele é comprometido com o trabalho com crianças, adolescentes e jovens. Recentemente, Jacob participou de uma semana de treinamento para saber como se preparar e lidar com a perseguição. Um colaborador de campo da Portas Abertas se encontrou com o pastor para falar sobre a juventude da China, os desafios enfrentados e como o trabalho está se mantendo com a revisão das leis religiosas no país. Confira o que Jacob compartilhou.

A vida para crianças em casa é difícil. Um dos problemas mais evidentes são os pais ausentes. E ausência não apenas pela obsessão com dinheiro, longas horas de trabalho e viagens de negócios, mas “ausência” em casa também. A cultura tradicional chinesa não recompensa crianças com abraços, palavras de afirmação e tempo juntos. Ao invés disso, a ênfase é no que a criança não conquistou e no que devem aos pais. Elas com frequência procuram os pais e a qualidade do relacionamento depende do nível social e de conquistas acadêmicas. Há exceções, mas na maioria, isso é o normal.

A vida para as crianças na escola também não é fácil. A pressão inicia quando crianças de apenas três ou quatro anos começam a aprender o alfabeto chinês para se preparar para o jardim da infância. Então a competição realmente começa. As crianças precisam se sair bem para entrar em uma boa escola primária. E caso não se sobressaiam na escola primária, não entrarão em um bom ensino médio. O mesmo acontece para entrar em uma boa universidade. São 13 anos de pressão na escola e outros três a cinco anos na universidade. Ao longo disso, as crianças são louvadas ou envergonhadas com base em seu desempenho.

O trabalho com as crianças passou por grandes mudanças recentemente. Elas são atraídas a nós por experimentarem o amor incondicional de Deus e se sentirem valorizadas e respeitadas. Nós as amamos por quem são e não pelo que fazem ou sua habilidade acadêmica. No grupo infantil, elas são livres para serem quem são, para rir, aproveitar a vida e descobrir quem foram criadas para ser. Elas também ouvem sobre o poder do evangelho e como Jesus morreu para que pudessem ter vida. Aprendem a acreditar no que Deus diz sobre elas ao invés das mentiras que a sociedade alimenta.

*Nome alterado por segurança.

Pedidos de oração