Como está a comunidade em Batticaloa, no Sri Lanka?

Pastor da Igreja Sião, local que foi alvo de uma das bombas no ataque no domingo de Páscoa em 2019, compartilha sobre a realidade atual

Há exatamente um ano, dia 21 de abril de 2019, no Sri Lanka, 259 pessoas morreram e 500 ficaram feridas. O motivo? Ataques coordenados em três igrejas e três hotéis onde a Páscoa era celebrada. O grupo extremista Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelo atentado, utilizando 7 homens-bomba. Além da ajuda prática às famílias atingidas pelas explosões, a Portas Abertas, por meio de seus colaboradores, acompanhou, visitou, orou e enviou cartões de encorajamento.

O pastor Roshan Mahesan, ministro sênior da Igreja Sião, um dos locais atacados em Batticaloa, falou sobre como a comunidade tem lidado um ano após o ocorrido. No total, eles perderam 31 membros, que morreram como mártires pelo reino de Deus. Outros 86 ficaram feridos. Segundo o pastor, esses também derramaram seu sangue, perderam órgãos, tiveram a pele queimada, sendo vistos como sacrifício vivo ao Senhor.

“Eu quero aproveitar a oportunidade para agradecer à Portas Abertas e todos aqueles que nos apoiaram de várias maneiras. Obrigado por visitarem as 83 famílias que foram diretamente afetadas pela explosão e aconselharem, passando tempo com elas não apenas uma ou duas vezes. Obrigado por as encorajarem e orarem por elas. Eu realmente quero agradecer do fundo do meu coração”, declarou o pastor.

Para ouvir mais da declaração do pastor Roshan Mahesan, da Igreja Sião, no Sri Lanka, assista ao vídeo abaixo.

Ele ainda agradeceu a cada parceiro que manteve os irmãos nas orações. “Embora alguns perderam mães, pais, filhos, filhas, uma coisa que não perderam foi a fé em Jesus. Isso é porque vocês acreditaram e oraram por nós. Somos muito gratos a vocês”, afirmou.

Sobre a volta da vida normal, o pastor acredita que ainda levará um tempo. Alguns ainda recebem tratamento médico, um ou dois ficaram paralisados, outros passaram por fisioterapia ou cirurgias. “Então o vazio causado levará algum tempo para ser curado”, explicou o pastor.

Apesar de agradecer pelas orações feitas até agora, o pastor Mahesan pede que a família da fé ainda ore pelas almas que se entregarão a Cristo. Eles esperam que 20 mil pessoas sejam alcançadas.

"Sabemos que Deus começou essa boa e grande obra. Semeamos 31 vidas para o reino no solo de Batticaloa e isso não será em vão. Cremos que o Senhor não abençoará apenas a Igreja Sião, mas todos os ministérios no Sri Lanka. Por favor, continuem orando por nós e que Deus os abençoe. Amém", concluiu o pastor.